You are here
Home > Egito > O Museu Egípcio no Cairo em 20 fotos

O Museu Egípcio no Cairo em 20 fotos

Retornar à Estação Ramsés e ao metrô do Cairo depois de mais de uma semana mochilando pelo centro e sul do Egito teve uma estranha sensação de volta pra casa. Meu emocional reconhecia aquele ambiente. É interessante como viagens fazem isso com você e, quando passa um tempo num lugar bom, aquilo também começa a criar uma sensação de “lar”. Não que o Cairo seja essa delícia — não é —, mas o albergue era legal. Deixemos isso para outros posts.

Retornando ao Cairo depois de ver Luxor, o Templo de Karnak, a Tumba de Tutancâmon, o Templo de Ísis em Philae, e até mesmo o monumento de Abu Simbel na fronteira com o Sudão, chegava a hora de finalmente ir ao mais visitado museu de toda a África: o Museu Egípcio no Cairo.

Repasso a vocês uma dica estratégica que recebi logo que cheguei ao Egito: Deixe pra ver o Museu Egípcio no final. Muita gente chega pelo Cairo e vai logo visitar esse famoso museu antes mesmo de conhecer o país. Como me disse a egípcia Sara, do albergue onde fiquei: “Se você for antes, irá achar bonito, dizer “Uau”, e ficará nisso. Já se você for depois, no final, aquilo tudo vai ter significado pra você, pois você já terá visitado os sítios originais e os templos país afora.”  

Então vamos lá. O Museu Egípcio é enorme e com um nível de organização digno do século XIX. Nada parece ter sido alterado desde 1902, quando ele foi inaugurado. Estão montando um prédio novo, a ser chamado de Grande Museu Egípcio, mas ninguém sabe exatamente quando ficará pronto. Até lá, estamos com esse, onde peças de 4000 anos estão às vezes dispostas amontoadas e sem identificação como se estivessem num depósito. 

Mas não deixe isso te inibir. Há muita coisa bonita e historicamente relevante por ver aqui, incluso aí o conteúdo transportado pra cá da Tumba de Tutancâmon. Não dá pra mostrar ou sequer ver tudo, mas vamos a um crème de la crème em 20 fotos.

Cairo 7-03
1. A entrada do Museu Egípcio, um prédio colonial do tempo em que o Egito era na prática um protetorado britânico. Ele foi saqueado durante a revolução de 2011 que derrubou o ditador Mubarak, alguns itens foram danificados e nem tudo foi reencontrado.
Cairo 7-04
2. O hall principal do Museu Egípcio. As peças estão em geral organizadas por época (do período arcaico ao greco-romano), mas essa é basicamente a única forma de organização. Nem todas as peças têm identificação para o público (as que têm são identificações ainda escritas a máquina de datilografar e em papel já amarelado), e muita coisa parece simplesmente “depositada” ali. Uma pena. Não deixe de vir por isso, mas você perceberá se vier.
Cairo 7-06
3. Mikerinos, Hathor e uma deusa. Esculturas de pedra do século XXV a.C., com o faraó Mikerinos no centro, Hathor (deusa dos céus, às vezes também representada por um touro) à esquerda dele, e à direita uma deusa local, de uma das regiões que ele governava à época. Estima-se que havia 8 dessas estátuas antigas, com Mikerinos, Hathor, e deusas locais de diferentes regiões.
Cairo 7-05
4. Estátuas de granito rosa do século XII a.C., mostrando o faraó Ramsés III sendo coroado pelos deuses Hórus e Seth (que são tradicionalmente inimigos, mas parecem concordar com a coroação de Ramsés III).
Cairo 7-08
5. Ka-aper. Esta escultura em madeira do século XXVI a.C. retrata o alto sacerdote Ka-aper, da região de Saqqara. Os braços foram esculpidos separadamente e encaixados. É um dos mais finos trabalhos egípcios antigos em madeira. Absorva devagar o fato de essa obra ter mais de 4500 anos de idade.
Cairo 7-07
6. Esfinge da faraó Hatshepsut. Esta e outras esfinges de pedra, com corpo de leão e rosto humano, ficavam de sentinela à entrada do Templo Mortuário de Hatshepsut, ao lado da antiga cidade de Tebas, hoje Luxor. Acreditava-se que permanecia algo da força vital da pessoa na imagem.
Cairo 7-02
7. A máscara funerária do faraó Tutancâmon. São 11kg de ouro maciço. A máscara fazia parte do tesouro encontrado na tumba desse faraó, a única tumba até hoje encontrada com todo o seu conteúdo ainda presente.
Cairo 7-09
8. O trono de Tutancâmon, que reinou no século XIV a.C. Madeira pintada com ouro, ele foi encontrado na tumba de Tutancâmon e hoje fica no Museu Egípcio guardado por vidro à prova de balas.
Cairo 7-10
9. A cadeira cerimonial de Tutancâmon, feita de ébano, marfim, ouro e vidro. Do século XIV a.C.
Cairo 7-12
10. Escultura da deusa Hathor, representada por uma vaca com o disco solar entre os chifres e que protege o faraó, abaixo. Os deuses egípcios, de modo geral, alternavam entre formas humanas e formas de um animal (totem) específico.
Cairo 7-11
11. Tampa do sarcófago do faraó Akhenaton, do século XIV a.C.
Cairo 7-13
12. Estátua de diorita do Faraó Quéfren, do século XXV a.C. Diorita é uma rocha ígnea.
Cairo 7-14
13. Imagem de Sekhmet, a deusa leoa. Protetora dos faraós, representada pela caçadora mais feroz que os egípcios conheciam.
Cairo 7-15
14. Servo moendo grãos à mão. Imagem do século XXV a.C., em pedra calcária.
Cairo 7-16
15. Colosso do Faraó Senuseret I (reino 1971-1926 a.C.), e representado aqui como o deus Osíris. Em pedra calcária.
Cairo 7-17
16. A Paleta de Narmer, lado 1. Este é um dos artefatos mais antigos do museu, datado do século XXXI a.C. (!) Ela celebra a unificação do Egito Antigo: no centro o rei do Alto Egito derrotando seu inimigo, provavelmente o ali o rei do Baixo Egito. Os vários talos representam as plantas de papiro dos pântanos do delta do Rio Nilo. Vemos também o deus Hórus (representado pelo falcão) trazendo uma corda, talvez para enforcar o homem.
Cairo 7-18
17. A Paleta de Narmer, lado 2. Animais míticos, e homens carregando estandartes (quiçá de regiões conquistadas) diante do faraó Narmer. Na ponta abaixo, um touro (representando a força do faraó), derruba uma fortificação.
Cairo 7-21
18. Stelae funerárias. Os egípcios inventaram estas pedras postas acima ou em frente das tumbas, que muitos usamos ainda hoje. A ideia era representar uma pequena “porta” (daí esse formato) por onde o Ka, ou espírito do morto, podia passar para vir “alimentar-se” energeticamente das oferendas que lhe eram ali deixadas.
Cairo 7-20
19. Sarcófago de pedra. Todo em pedra calcária, datado da quarta dinastia, por volta do século XXV a.C.
Cairo 7-22
20. Ofertas de incenso. Faraó ajoelha-se para fazer oferendas de incenso aos deuses. Em granito rosa.

Reserve pelo menos umas 2h para visitar.

Mairon Giovani
Cidadão do mundo e viajante independente. Gosta de cultura, risadas, e comida bem feita. Não acha que viajar sozinho seja tão assustador quanto costumam imaginar, e se joga com frequência em novos ambientes. Crê que um país deixa de ser um mero lugar no mapa a partir do momento em que você o conhece e vive experiências com as pessoas de lá.

8 thoughts on “O Museu Egípcio no Cairo em 20 fotos

  1. Oi Mairon, tudo bem?
    Amei tua página. Fiquei com uma dúvida: como conseguiste as fotos do Museu do Cairo? Fomos por três vezes e nunca nos deixam fotografar, inclusive temos que entregar a câmera no bureau na entrada.
    Abraços,
    Angela

    1. Oi Angela,
      Fico contente que estejas acompanhando e tenhas gostado. Obrigado! Quanto às fotos no Museu Egípcio, na entrada é possível comprar um ticket adicional (por 50 libras egípcias) que te dá o direito de tirar fotos. Pelo que eu soube, isso até o início de 2016 ainda não era possível, mas agora é. Se você retornar ao museu, procure esse ticket e você conseguirá.
      Abraços!
      Mairon

      1. Mairon! Adorei todos os posts do seu site sobre o Egito. Cada vez fico mais encantada e maravilhada com este país! Eu e minha família iremos viajar para lá em Outubro deste ano. Estamos preparando os roteiros já que compramos apenas a passagem aérea e alguns dias de hotel. O resto queremos nos virar lá. Vou seguir teus conselhos de viajar independente para Alexandria. A única dúvida é o meio de transporte de Cairo para Luxor. Temos vontade de ir de trem mas o valor do trem noturno é meio caro e também queremos parar na praia de Hurghada.

      2. Oi Isadora! Fico contente que tenha gostado e que as dicas te sejam úteis! A Alexandria, vá mesmo por conta e acho que não vai se arrepender. De Cairo para Luxor, se você buscar no site oficial da companhia ferroviária egípcia (Egyptian Railways) você consegue encontrar e comprar no cartão de crédito os trens diurnos, que são muito mais baratos. (Vale a pena optar pela 1a Classe). Já Hurghada você terá que fazer meio à parte, pois meio que não é caminho para Luxor, a menos que fizesse esse trajeto no ônibus.

  2. Nossa!….. estou extasiada de tanta beleza. Que belo museu, que imponente fachada, com belas cores, que peças maravilhosas tanto nos seus diversos e belíssimos materiais como ouro granitos vários pedras outras de vários tipos cores, nuances, como na própria forma de esculpir as estatuas com toda a sua artística simbologia e história, Um presente para os olhos e a alma egípcia que existe em cada um dos amantes da cultura, da arte e da História Universal. Linda postagem, Lindo museu, impressionante legado e incrível a conservação. Um banho de História da Arte desse povo maravilhoso. Impar essa série de postagens sobre o Egito. Parabéns, viajante brasileiro por mais este show de imagens e História.

    1. Obrigado, Vania! Feliz em saber que as dicas têm sido úteis. Se precisar de alguma outra informação, estamos aí.
      Bons preparativos! Com certeza essa vai ser uma viagem inesquecível.

Deixe uma resposta

Top