You are here
Home > Fiji > Conhecendo melhor Fiji, Nadi e Port Denarau

Conhecendo melhor Fiji, Nadi e Port Denarau

Fiji não é apenas um arquipélago de ilhas-resort com praias e coqueiros — embora estes sejam lindos —, mas um país real com pessoas e seus hábitos. Fiji inclusive é dos maiores países da Oceania, atrás apenas de Austrália, Nova Zelândia, e Papua Nova-Guiné. São quase 1 milhão de pessoas aqui (mais que em alguns países europeus como Malta, Chipre ou Luxemburgo.)

Fiji foi colônia britânica até 1970 (daí quase todo mundo aqui ser fluente em inglês), que os ingleses exploraram com plantações de cana-de-açúcar. Como muito da população nativa morreu vítima de doenças trazidas pelos europeus e para as quais não tinham imunidade (ex. só o sarampo em 1875 matou 1/3 da população de Fiji), os ingleses trouxeram indianos de sua outra colônia para trabalhar nas lavouras em regime servil. Vejam aí que não foi nada muito diferente do modelo das Américas.

Fiji são aquelas ilhotas em cor-de-rosa bem à direita do mapa.

Os fijianos, negros da Melanésia, já viviam há pelo menos 3000 anos nestas ilhas. Elas foram chamadas por um tempo pelos europeus de Ilhas dos Canibais, pois o canibalismo era prática comum aqui. Inclusive, no Guinness, o livro dos recordes, o chefe fijiano Ratu Udre Udre do século XIX sustenta o recorde — que provavelmente jamais será superado — de ser o canibal mais voraz da História, tendo comido 872 pessoas de que se tem notícia. Os europeus tinham um medo enorme até de passar perto demais, com medo de atolarem e serem comidos.

Os nativos chamavam a sua terra de Viti. As pessoas de Tonga, país insular próximo daqui, é que chamavam estas ilhas de Fisi, daí Fiji. O inglês Capitão Cook promulgou o nome no século XVII e ele nunca mais mudou.

Fijiano vestido à moda tradicional na porta de uma loja para turistas em Nadi, uma das maiores cidades de Fiji.
O mapa de Fiji. Percebam que não é tão miúdo: a ilha principal, Viti Levu, tem uns bons 100km de um lado a outro. É maior que muito país europeu. Suva é a capital, mas o aeroporto internacional por alguma razão fica próximo a Nadi.

Embora não se tenha mais notícia de que ninguém coma mais ninguém (no sentido literal) aqui em Fiji, eu preciso lhes dizer que o país não é o mais seguro do mundo. Os motoristas são loucos e os registros de crimes não são raros nas mal iluminadas ruas. Atenção se saírem à noite.

O meu albergue a beira-mar descrito no post anterior fica em Wailoaloa, uma praia, mas a cidade de Nadi está próxima. Eu, como não resisto, precisei ir conferir como é a cara do Fiji de verdade, fora dos espaços turísticos.

O meu passeio seguiu uma escala decrescente de conforto: fui primeiro de carro a Port Denarau, um shopping center a céu aberto vendido como cidade, e depois voltaria de Nadi de ônibus com o povão.

Port Denarau é um lugar plástico que abriga o Hard Rock Café, muitas lojas, bares e sorveterias em ruas falsas que fingem ser uma cidade (um pouco como o Downtown Shopping no RJ). Turistas abundam. É bonitinho, mas não é uma cidade. 

Port Denarau, um shopping center a céu aberto onde concentra-se a vida dos turistas em Fiji, com hotéis etc. Ele será importante como ponto de partida de passeios às ilhas menores, e eu falarei deles depois. Só não acredite quando lhe disserem que Port Denarau é uma cidade. Não é.
Curiosidades nas ruas de Port Denarau. (As lojas, eu preciso dizer, são mais caras que em Nadi.)
New Zealand Natural é uma excelente sorveteria. Você aprenderá rápido que quase todos os donos do dinheiro em Fiji (e na Oceania em geral) são hoje australianos ou neozelandeses. Os fijianos ficam com os trabalhos manuais. O sorvete é muito bom.
Port Denarau acontece de ser também um porto. Daqui saem todos os passeios de barco às ilhas mais remotas de Fiji. Eu voltaria aqui no dia seguinte pra isso.

Pedi a Funmike, a minha amiga fijiana, que me deixasse em Nadi no caminho de volta. “Não tem absolutamente nada pra você ver lá. Não sei o que é que você está esperando encontrar.“, me disse ela em seu jeito despachado de sagitariana, sem saber que o que eu queria ver era precisamente o “nada”, os lugares reais nada turísticos. 

“Nada turístico” é um exagero, confesso. Há turistas e lojas de souvenirs em Nadi, mas bem menos. A grande maioria fica limitada aos resorts ou outras espaços privatizados.

Nadi (que por alguma razão os fijianos pronunciam Nandi) é onde há os mercados de hortifruti e de artesanatos, mulheres negras carregando crianças de colo pela rua, meninos e meninas em idade escolar uniformizados passando em grupo, e cidadãos de óculos escuros e ar malandrão parados na rua. 

A rua principal de Nadi. Isso é Fiji.
Pessoas aguardando os ônibus. Eu mostro pra que se vejam os fijianos como eles são, e que as brochuras de hotéis jamais vão lhe mostrar que existem.
O mercado de artesanato, Nadi Handicraft Market. Coisas bem baratas aí.
Numa das lojas em Nadi, máscaras remontando estilos tradicionais, do tempo do canibalismo.
Máscara facial. Não faltam souvenirs em Fiji. Os preços, embora não sejam uma pechincha, são razoáveis.
Bula é a palavra na língua fijiana que todo turista aqui aprende, e que virou artigo de marketing. Quer dizer “Olá”, mas a indústria do turismo inventou de dizer que significa vida, amor, pepepê e caixa de fósforo.
O lado humilde de Fiji, como neste mercado de hortifruti. O dinheiro grosso da economia continua a ficar com os estrangeiros. Em Fiji, só nos últimos 30 anos houve quatro golpes de estado. O povo segue assim.

Lembra que eu disse que os ingleses trouxeram pra cá servos da Índia para trabalhar nas plantações de cana-de-açúcar? Pois bem, eles nunca foram embora.

Um terço da população de Fiji são indianos de origem, que falam hindi (e inglês), seguem a religião hindu, e não se misturam com os fijianos nativos (os quais são em geral cristãos protestantes com toques de animismo tribal). Eles não se dão muito uns com os outros, e é um quiprocó. 

Templo hindu em Fiji.
O interior da área do templo hindu. A entrada nos precintos do templo é paga. Como eu já tenho muitos templos hindus no meu currículo, fiquei daqui mesmo. (Se você não conhece, veja-os neste post aqui, com vídeo e tudo.)

Afora o aspecto religioso, você encontra comida indiana muito boa em Fiji (embora a comida fijiana, diferente, também seja ótima; mais sobre isso posteriormente).

Dei uns bons bordejos em Nadi, comprei souvenirs numa das lojas, e no cair da tarde fui atrás do ônibus que me levaria de volta a Wailoaloa, ao meu albergue. A cidade é pequena de num turno você vê absolutamente tudo.

Vi os vendedores de frituras, bobagens e refrigerantes às pessoas esperando ônibus muito parecidos aos do Brasil. A precariedade daqui é a mesma, embora os ônibus fijianos sejam bem piores (e muitas vezes não circulem aos domingos). Não sei o que pensaram de mim. Talvez tenham me tomado por indiano, como na própria Índia fizeram. 

No cair da tarde, misturei-me aos estudantes de ar muito simples retornando para casa, e retornei eu ao mundo mágico — e artificial — do Fiji dos turistas.

Garota de origem indiana no terminal de ônibus de Nadi. (Há alguns poucos muçulmanos também.)
Os pontos de ônibus não são tão diferentes dos brasileiros.
O ônibus que eu tomei pra Wailoaloa.
No caminho, passamos pelas histórias plantações de cana, que constituíram Fiji do jeito que é hoje. O setor açucareiro ainda é, junto com o turismo, a principal indústria do país.
À beira da pista, o rapaz espera o seu ônibus. Pouco diferente das zonas rurais ou peri-urbanas do Brasil. Muito diferente do Fiji que os hotéis te mostram.
Mairon Giovani
Cidadão do mundo e viajante independente. Gosta de cultura, risadas, e comida bem feita. Não acha que viajar sozinho seja tão assustador quanto costumam imaginar, e se joga com frequência em novos ambientes. Crê que um país deixa de ser um mero lugar no mapa a partir do momento em que você o conhece e vive experiências com as pessoas de lá.

One thought on “Conhecendo melhor Fiji, Nadi e Port Denarau

Deixe uma resposta

Top