You are here
Home > Holanda > Marken e o andar de bicicleta pela Holanda

Marken e o andar de bicicleta pela Holanda

Andar de bicicleta na Holanda, como eu comentei no meu post sobre Amsterdã, é uma obrigação. Nunca ouvi falar de alguém aqui que não soubesse pedalar, e quem quer que eu visse sem bicicleta, era um fenômeno temporário porque quebrou ou o pneu furou.

Mas afora o andar de bicicleta pela cidade como meio de transporte, é ultra-comum também aos holandeses fazer passeios mais longos de bicicleta — e os estrangeiros que vêm morar aqui logo aderem e tentam fazer o mesmo também. 

Suas ciclovias infinitas são outra das características típicas holandesas, e os holandeses são capazes de pedalar dezenas de Km por dia. “Qualquer coisa abaixo de 100Km é uma pedalada curta“, disse-me o meu sexagenário supervisor ainda na minha primeira semana na Holanda, para o meu choque.

Eu, ainda no meu primeiro ano de moradia aqui, juntei-me a alguns amigos (também estrangeiros) e fui a Marken, uma cidadezinha pitoresca à margem da água a cerca de 25Km de Amsterdã. Você trajeta por campos verdes planos, vilas, e margeia o mar. Recomendadíssimo a quem quer que tenha mais do que alguns dias na capital holandesa (é possível alugar bicicletas em Amsterdã, caso você não tenha uma).

O entardecer que flagramos sobre os campos holandeses.
Às vezes você se sente em O Mágico de Oz ou alguma outra obra de fantasia com campos limpos assim.
Vacas holandesas por toda parte.
Mapa da Holanda, com Amsterdã ali bem resguardada.

Quem já olhou com atenção para o mapa da Holanda já percebeu que há um grande golfo dentro do país. Marken fica nessa direção.

Ali era um grande lago, que os navegadores da Roma Antiga chamaram de Lacus Flevo. Com o tempo, contudo, à altura do século XIII as ondas do Mar do Norte romperam as barreiras naturais e o invadiram completamente.  

A nova formação passou até 1932 a ser um pequeno mar então chamado de Zuiderzee. No entanto, isso expunha muito os holandeses às marés e aos efeitos dos ventos na água. Enchentes eram muito comuns, frequentemente com centenas de mortos. (Afinal, esta terra atende pela alcunha de Países Baixos por uma razão. Um quarto do país fica abaixo do nível do mar, chegando a até -7m de “altitude”, protegido por diques à beira do mar e dos rios.)

Foi aí que um grande dique pra re-separar o mar foi construído. Com o tempo, se transformou novamente em lago devido ao influxo de água doce dos rios. Assim surgiu o IJsselmeer, lago que hoje é o maior reservatório de água doce da Holanda.

Com esse e outros trabalhos hidráulicos, os holandeses também encerraram o subir e descer de marés que ainda afetava os canais de Amsterdã — quando estes ainda eram de água salgada.

Ciclovia à margem do IJsselmeer a caminho de Marken, na Holanda.
Farol em Marken, hoje circundado por água doce.

Como todo vilarejo holandês digno de nota, Marken é simples mas é uma fofura. Poucas ruas, tudo à beira da água, e alguns pequenos restaurantes onde comer algo gostoso.

Marken com seu canal.
Uma das pequeninas ruas.
Pitoresca casinha de madeira.
Meu amigo Julian, canadense, com uma terrível panqueca de morangos em Marken.

Esse céu nublado aí das fotos acima é ilustrativo do tempo típico na Holanda. Mesmo no verão, uma temperatura na casa dos 15°C, cinzento, com ventos frios e solitários. Parece que você está numa zona periférica do norte da Europa, de poucos habitantes e de pouca vida. Há uma quietude no ar que contrasta muito com o que estamos habituados a ter nos trópicos.

Mesmo assim, o sol às vezes dá as caras. Não o sol alaranjado dos países quentes, mas um sol amarelo-claro e raro. Sol de pintura impressionista, que alguns artistas vieram a chamar de “luz holandesa”.

Vista quando o sol abre.
Eu com a tal “luz holandesa”, nos campos.

E à tarde voltamos, com o escurecer já nos ameaçando no caminho, e reencontramos Amsterdã já iluminada.

Mairon Giovani
Cidadão do mundo e viajante independente. Gosta de cultura, risadas, e comida bem feita. Não acha que viajar sozinho seja tão assustador quanto costumam imaginar, e se joga com frequência em novos ambientes. Crê que um país deixa de ser um mero lugar no mapa a partir do momento em que você o conhece e vive experiências com as pessoas de lá.

One thought on “Marken e o andar de bicicleta pela Holanda

  1. Nossa, muito singela e bonitinha essa cidade. As cidadezinhas holandesas são mesmo mimosas. Belos campos lindas paisagens. Interessante esse sol desmaiado e que não chega ao alto do céu, passa ao largo. Mas ficou uma bela imagem com linda paisagem.
    Essas ruelinhas com casinhas de madeira, com jardim florido e murinho baixo são encantadoras, lindas impares. Adoro. Linda regiao,

Deixe uma resposta

Top