You are here
Home > Rússia > As 5 melhores cidades e paradas na Ferrovia Trans-Siberiana, na Rússia

As 5 melhores cidades e paradas na Ferrovia Trans-Siberiana, na Rússia

As pessoas normalmente imaginam a Ferrovia Trans-Siberiana como um “Expresso Oriente” (quando não um Hogwarts Express) em que você magicamente cruza o território russo de ponta a ponta. É mais ou menos isso, mas não há UM trem (como coloquei aqui, no meu post sobre trens na Rússia), e a magia da viagem está longe de ser somente o trajeto em si.

A grande graça da Ferrovia Trans-Siberiana são as paradas, os contrastes pelo caminho. Muito você vê pela janela, mas muito requer que você desça, caminhe, e confira com os próprios olhos.

Encontro muitos turistas que optam por ficar enfurnados quatro ou mais dias num mesmo trem vendo a paisagem passar e sem descer em lugar algum. Legal, mas a minha recomendação é que você partilhe a sua viagem em pedaços menores, com viagens de trem de 1 ou 2 noites, para experimentar o que há pelo caminho e conhecer de fato a Rússia.

Então aqui vão os lugares onde mais gostei de me deter um cadinho na viagem recente que fiz na Trans-Siberiana. 

  • Se trata aqui da Ferrovia Trans-Siberiana propriamente dita, de Moscou a Vladivostok, e não a Ferrovia Trans-Mongólica, de Moscou a Pequim, cruzando a Mongólia no caminho. Sobre a Mongólia você lê nesta seção aqui.
  • Alguns sites misturam Trans-Siberiana com Moscou e São Petersburgo, cidades lindas mas que estão fora da rota. Elas portanto não constam aqui, mas é claro que merecem sua visita. É só clicar nos nomes para ver crônicas de lá.

5. Novosibirsk

Praça em Novosibirsk.

Novosibirsk é a terceira maior cidade da Rússia, embora seja muitíssimo menos famosa que as duas maiores (Moscou e São Petersburgo). De fato, essa cidade com seu 1,5 milhão de habitantes no meio da Sibéria não é exatamente a Rússia imperial ou soviética que costumamos imaginar, mas é um retrato interessante da Rússia ATUAL. 

O que quero dizer com isso é que você verá a pletora de povos hoje aqui misturados neste multi-cultural país: imigrantes da Ásia Central, chechênios, armênios, nativos siberianos, e russos brancos num caldo cultural pouco conhecido entre nós no Ocidente. 

De quebra, há belas praças, lindas igrejas ortodoxas (como de costume na Rússia), e algumas edificações magníficas. Aqui a mistura social se combina à mistura cultural entre tradicionalismo ortodoxo, legado soviético, e inputs culturais dos estrangeiros vizinhos. Um retrato fiel da Rússia atual.

Detalhes sobre Novosibirsk em: Novosibirsk, a cidade das mais belas mulheres da Rússia

 4. Vladivostok

Vladivostok.

Esta é a cidade que alguns brasileiros crêem que só existe no jogo WAR. No entanto, ela é a (real) metrópole costeira da Rússia no Oceano Pacífico. Uma cidade apelidada de “São Francisco”, por certas semelhanças com sua “irmã” californiana: uma cênica baía, numa cidade de colinas, com uma bela ponte fazendo as vezes do Golden Gate são franciscano.

Ainda que Vladivostok provavelmente não tenha o glamour todo da São Francisco verdadeira, ela é uma cidade que tem a sua elegância. Deter-se aqui um par de dias antes de seguir viagem após o trajeto Trans-Siberiano não é uma ideia ruim. Já que veio até aqui, vale esticar as pernas para conferir as vistas da cidade, sua arquitetura europeia estranhamente presente aqui no outro lado do continente, ou ao menos a marinha de guerra russa estacionada no porto da cidade para a alegria fotográfica dos russos e turistas.

Detalhes sobre Vladivostok em: Vladivostok, Rússia: O fim de linha da Ferrovia Trans-Siberiana.

3. Irkutsk e Lago Baikal

O maior lago do mundo.

São muito poucos os viajantes trans-siberianos que não se detêm ao menos aqui em Irkutsk — a quatro noites de viagem no trem de Moscou —, mas são poucos o que aproveitam a oportunidade única para conhecer direito o maior atrativo da região: o majestoso Lago Baikal, o mais volumoso do mundo.

Irkutsk é uma cidade siberiana já com um jeito bem diferente de Novosibirsk — uma Sibéria mais tradicional, remota, quiçá até um pouco mais asiática. Suas casas tradicionais de madeira merecem a sua atenção. As igrejas, teatros e prédios de governo, também.

Mas o que há de mais bonito mesmo aqui é o lago. Não “aqui” imediatamente em Irkutsk, mas a algumas horas de viagem (o que é um nada para a imensidão da Rússia). O litoral mais próximo nesse lago de centenas de quilômetros é Listvyanka, mas não a recomendo. Muito melhor, e uma experiência mais autêntica, é ir à Ilha de Olkhon passar uns dias. Lá, sim, você verá o maior lago do mundo em toda a sua majestade.

Detalhes de Irkutsk em: Bem vindos a Irkutsk, Sibéria

Detalhes da Ilha de Olkhon no Lago Baikal em: Lago Baikal e Ilha de Olkhon, Sibéria: Entre xamanismo e natureza no interior da Rússia

2. Ulan Ude, capital da Buryatia

Mosteiro Ivolginsky, nos arredores de Ulan Ude.

Ulan Ude foi uma cidade de que eu nunca havia ouvido falar, mas que me cativou. 7h de trem a leste de Irkutsk, ela é a capital da República da Buryatia, uma das muitas repúblicas semi-autônomas que há dentro da Rússia — e das quais os ocidentais em geral sabem muito pouco.

Os buryats são um povo siberiano nativo, que hoje mistura xamanismo tradicional e budismo. Com suas feições asiáticas que lembram os indígenas norte-americanos, você os verá em grande número por aqui — com suas jóias e enfeites tradicionais, seus sorrisos mais fáceis que o dos outros russos, e sua simpatia.

Ulan Ude é sem dúvida uma cidade russa, mas uma Rússia diferente, meio budista, meio indígena.

Detalhes de Ulan Ude e da Buryatia em: Ulan Ude: Bem vindos à República da Buryatia, na Sibéria

1. Kazan, capital do Tatarstão

Mesquita Qol Sharif, em Kazan.

Eis aqui a parada mais pitoresca, na minha humilde opinião, de toda a Ferrovia Trans-Siberiana. Tecnicamente, a rota que se convencionou chamar de Trans-Siberiana na verdade passa mais ao norte de Kazan, mas passar por perto e não visitar esta cidade seria o maior equívoco da sua viagem. Quebrar o trajeto e vir aqui, seu maior acerto.

Kazan é a capital da República do Tatarstão, mais uma das semi-autônomas dentro da Rússia. Sua elegância mistura toques muçulmanos tatares (o povo local), lendas dos tempos de Pedro o Grande e Ivan o Terrível, e charme barroco russo dos séculos já passados. Junte-se a isso a tranquilidade numa cidade de médio porte boa de passear a pé, culinária com influências culturais exóticas centro-asiáticas, e gente bem mais sossegada que em Moscou e São Petersburgo.

É a cidade mais fotogênica da Rússia.

Detalhes sobre Kazan em: Kazan, a bela capital da República do Tatarstão, na Rússia


Na melhor das viagens, não precisa escolher: veja todas elas. 

Qualquer dúvida, é só escrever.

Mairon Giovani
Cidadão do mundo e viajante independente. Gosta de cultura, risadas, e comida bem feita. Não acha que viajar sozinho seja tão assustador quanto costumam imaginar, e se joga com frequência em novos ambientes. Crê que um país deixa de ser um mero lugar no mapa a partir do momento em que você o conhece e vive experiências com as pessoas de lá.

Deixe uma resposta

Top