You are here
Home > Nepal > Visto na chegada para brasileiros e imigração no Nepal: O procedimento e a experiência

Visto na chegada para brasileiros e imigração no Nepal: O procedimento e a experiência

Bem vindos ao Nepal, um dos países mais turísticos do Oriente. Estamos na Cordilheira dos Himalaias, a mais alta do mundo, entre a Índia e a China. Acabei de chegar, e nos posts seguintes relatarei a minha visita e experiência aqui. 

Por ora, quero compartilhar informações sobre o procedimento e a experiência de obter o visto nepalês na chegada ao aeroporto de Katmandu, a capital.

Brasileiros, assim como portugueses e outra centena de nacionalidades, não precisam solicitar visto antes de viajar ao Nepal. Basta vir. Isso se aplica tanto a vindas de avião quanto a entradas por terra, vindo de países vizinhos. No entanto, como minha experiência foi chegando de avião, vou me concentrar nela.

O setor de chegadas no modesto Aeroporto Internacional de Tribhuvan, na capital nepalesa Katmandu. É um aeroporto simples e funcional. Sem tubos, você desembarca no tarmac e segue a pé.
Bem vindos ao Nepal, uma república de maioria hinduísta. O país foi uma monarquia até 2008, e o Estado era oficialmente hindu (o único do mundo). Com a transição para república, o Estado foi definido como laico, como já era o caso da vizinha Índia.

Para tirar o visto na chegada (visa on arrival) no aeroporto, você precisa apenas de dólares americanos e de certa paciência. (É um pouco como ir tirar alguma documentação: pegue essa fila, pague isso, depois leve esse papel àquele balcão…) 

Se puder ser dos primeiros a sair do seu avião, seja. Passar à frente daquela tia ou daquele grupo que vai devagar conversando pode valer a pena, já que o que mais demora no procedimento não é tanto a burocracia, mas as filas. Quase todo mundo ali, inclusos os europeus e norte-americanos, precisarão passar pelo mesmo procedimento que você.

A sequência é a seguinte:

(1) Passe batido pelo balcão de saúde (health desk). Ao contrário da Tailândia, onde sul-americanos precisam parar primeiro aqui e apresentar o certificado de vacinação contra a febre amarela, o Nepal faz essa cobrança apenas dos africanos — ou de quem esteve na África nas últimas 3 semanas. (Pare, se esse for o seu caso.)

(2) Agarre um cartão de desembarque (arrivals card) para preencher, pois eles não o entregam durante o voo, mas não o preencha ainda. (Se você parar pra fazê-lo agora, a turba de passageiros chegará na sua frente às máquinas de solicitação de visto.) Deixe para preenchê-lo enquanto espera nas filas.

(3) Vá para uma das várias máquinas de auto-atendimento para solicitar o visto na chegada. Há vários tipos; as mais modernas são as melhores. Ela pode ler suas informações no chip do seu passaporte ou você pode digitá-las na tela de toque. A própria máquina tira sua foto, então não é preciso levar foto. Cada pessoa me parece levar uns 5-20 minutos aqui. Ao fim, a máquina imprime uma notinha com código de barras para você. 

(4) Siga para o balcão de pagamento da tarifa do visto. (Não vá para a fila da imigração antes de passar por aqui, ou terá que voltar!) Todos os vistos no Nepal são múltipla entrada. Os custos são os seguintes: 15 dias (USD 25), 30 dias (USD 40), ou 90 dias (USD 100). Você pode pagar em dólares americanos ou usar uma penca de outras moedas fortes aceitas, como libras esterlinas ou euros, mas tenha em que mente que aí estará sujeito a uma cotação desvantajosa. Normalmente eles dão troco. Só se certifique de que suas notas estejam em bom estado. Notas mal-acabadas costumam ser rejeitadas aqui na Ásia.

Você recebe um recibo assim após fazer o pagamento, com uma via para o oficial de imigração e outra (a amarela embaixo) que fica com você.

(5) Agora sim, prossiga para a fila de imigração. Há várias, a depender da duração do seu visto solicitado e de se você vai obtê-lo agora ou já o tinha. No meu caso, fui pra a fila dos sem visto (without visa) e que estavam solicitando para 15 ou 30 dias. Lá, o oficial de imigração (em geral alguém de muito poucas palavras, como costuma ser o caso aqui na Ásia) recebe: (a) o recibo de pagamento, (b) o cartão de desembarque preenchido, e (c) a notinha com código de barras que a máquina imprimiu. Ele próprio imprime então o adesivo do visto e o põe numa página vazia do seu passaporte. Pronto, bem vindo ao Nepal!

A aduana/alfândega, que controla mercadorias, pouco se importará com sua bagagem. Há um detector de metais antes de você chegar às malas, mas coisa bem relapsa onde eles passam sua bagagem de mão no raio-x mas pouco ligam pra os bipes do portal onde todo mundo vai passando com chaves no bolso, etc. É meio pra inglês ver. (A atenção deles será na saída, pra se certificar de você não esteja levando embora antiguidades de comercialização proibida.)

No todo, o processo foi tranquilo, embora tenha me tomado em torno de 1h. Por sorte velocidade nas canelas, fui dos primeiros a chegar às máquinas. Se você tiver que esperar muita gente ali, levará um algo mais de tempo. Mas como eu disse: requer apenas dólares e paciência. Quando você chegar à esteira de bagagens, certamente suas coisas já estarão ali aguardando você.


Agora é só alegria! (Mentira, agora é aquela típica mistura de alegria com desafios, característica pra quem viaja aqui na Ásia.) 

Se puder ter já acertado um traslado da sua acomodação, é melhor. Senão, estará à mercê do enxame de taxistas e oferecedores de serviços não-solicitados. Foi o meu caso. O relato das minhas experiências em Katmandu vem a seguir.

Mairon Giovani
Cidadão do mundo e viajante independente. Gosta de cultura, risadas, e comida bem feita. Não acha que viajar sozinho seja tão assustador quanto costumam imaginar, e se joga com frequência em novos ambientes. Crê que um país deixa de ser um mero lugar no mapa a partir do momento em que você o conhece e vive experiências com as pessoas de lá.

2 thoughts on “Visto na chegada para brasileiros e imigração no Nepal: O procedimento e a experiência

  1. Uaaauuu. Que emoção!.. Nepal lembra Himalaias!… e eu amo as Cordilheirase sua fantatica energia…. e claro o Himalaia é a maior delas. Deve ser emocionante estar tao perto, mesmo que não consiga ver, mas o saber que ela esta ali deve ser emocionante.
    Ansiosa pela historias, jovem viajante. Vamos que vamos.

  2. Já gostei do belo templo na foto de abertura e do colorido do painel de boas vindas. Lindo. Espero ver a Cordilheira.
    Ásia fabulosa, sem igual. Sou apaixonada por esse belo histórico e misterioso continente, de tamanho legado cultural, de gastronomia unica, de gente rica de significação e significantes, Pobres de almas iluminadas, sorriso no rosto, simplicidade, e humildade. Salve a Ásia seu povo e sua cultura;

Deixe uma resposta

Top