Uzbequistão

Uzbequistão: Visto para brasileiros (ou portugueses) e a experiência da imigração

Como o Uzbequistão está se tornando uma “bola da vez” no turismo mundial, resolvi fazer este post introdutório dedicado exclusivamente à questão do visto, à minha experiência imigratória, e às dicas para a chegada no aeroporto.

MUITO mudou recentemente. A maioria do que está na internet de antes de 2019 já está defasado em relação a esse tipo de informação, então vale a pena tomar nota. Eu leio até hoje no TripAdvisor, na WikiTravel e na WikiVoyage relatos de pessoas se empurrando na fila do controle de passaporte, formulários de imigração, etc. etc. Isso pode muito bem ter sido a realidade até poucos anos atrás (eu próprio já experimentei coisas parecidas na Armênia dois anos atrás e sei como é), mas as coisas mudaram bastante por aqui.

O Uzbequistão em 2019 isentou da necessidade de visto cidadãos de mais de 60 países, entre eles o Brasil e os membros da União Europeia. Todos podemos agora visitar o país por até 30 dias como turistas. Sem “visto na chegada” (visa on arrival), sem precisar preencher nada pela internet, nem pagar nada no aeroporto. Isso é parte de um grande programa de promoção do turismo no país, que inclui também outras facilidades.

Não há mais nenhum formulário de imigração a preencher. Além disso, há um terminal novo de chegadas no Aeroporto Internacional de Tashkent que facilitou muito a vida do turista.

Primeiro, sim, você verá uzbeques e outra gente da região — habituada ao esquema antigo — andando rápido feito doidos em direção ao controle de passaporte. Às vezes parece o estouro da boiada, mas agora há muitos guichês para controle de passaporte num espaço amplo, nada a ver com os relatos de até recentemente sobre filas longas.

Eu apressei o passo, é claro, para passar na frente dos tios uzbeques, mas mesmo lá vi tantos guichês que não me preocupei. Havia oficiais sem fazer nada, só esperando turista chegar. Levou menos de 5 minutos. Ele carimbou meu passaporte após perguntar se eu estava a turismo e me deu as boas vindas. Sem formulário, sem perguntas, nem pedido algum.

Atrás dos guichês de imigração está a área das esteiras de bagagens, no mesmo grande saguão. Ali, você tem um útil centro de atendimento ao turista onde as pessoas falam inglês bem e você pode pagar por táxis oficiais assim como solicitar informações turísticas. Naquele mesmo saguão também está uma casa de câmbio com — pasme — boas cotações para câmbio de moeda. Um spread de 0,5% na cotação do dólar! Incrível. Por 1 USD = 86,3 – 86.9 soum, a moeda uzbeque. E sem comissão.

O útil centro de informação turística, já na área da retirada de bagagens, no Aeroporto Internacional de Tashkent, Uzbequistão.

Fizeram ainda o que considero uma jogada de mestre. Não apenas puseram toda essa infra-estrutura ANTES da saída do desembarque (quando, nesta parte do mundo, os taxistas informais avançam em você), como também deixaram as portas de saída debaixo do sol. A porta de desembarque é já para fora do aeroporto. Nem mesmo os taxistas mais audazes se atrevem a tolerar o sol inclemente de Tashkent ficando ali para abordar na botija os turistas que chegam, como ocorre em tantos aeroportos do Oriente Médio e da Ásia.

Se você gosta de atenção aos detalhes, note que as tarifas oficiais de táxi são escalonadas a depender da distância. Você paga adiantado aqui no balcão, após informar o nome do seu hotel. Mais de 7 Km são 60.000 soum. De 3-6 Km, são 40.000. Até 3 Km são 20.000. São somas pequenas — 60.000 não dá nem 8 dólares, ou 30 reais. Mas os funcionários do guichê, embora prestativos e amigáveis, têm o hábito de automaticamente lhe cobrar o preço mais alto, sem ver se sua acomodação se encaixa numa das categorias mais baratas. É coisa pequena, mas vale a pena fica atento se você gosta de apreciar cada tostão ou quer as coisas bem certinhas.

Caso não queira os táxis oficiais, que não têm treta, pode sair e lá fora, sob uma área coberta, verá muitos taxistas comuns observando passageiros que chegam.

Neste providencial centro de informação turística, os funcionários falam inglês bem e podem reservar táxis oficiais para você.
Venha com bolsos gordos, pois aqui você troca 200 USD e recebe este maço de dinheiro. (O papel lilás é o recibo oficial.)
Coisa obscena. Olha como fica elegante e prático.

Bem vindos ao Uzbequistão!

No post seguinte começo a relatar minhas andanças por aqui.

Mairon Giovani
Cidadão do mundo e viajante independente. Gosta de cultura, risadas, e comida bem feita. Não acha que viajar sozinho seja tão assustador quanto costumam imaginar, e se joga com frequência em novos ambientes. Crê que um país deixa de ser um mero lugar no mapa a partir do momento em que você o conhece e vive experiências com as pessoas de lá.

One Reply to “Uzbequistão: Visto para brasileiros (ou portugueses) e a experiência da imigração

  1. Hahahahah adorei a protuberância do bolso cheio de dinheiro. Ficou rico heiimm meu jovem hahaha.
    Inteligente da parte deles por tudo perto e ao alcance do turista. Dei valor.
    Ótimnas e atualizadas informações.
    É isso ai.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *