Uzbequistão

Trens no Uzbequistão: Como são e como comprar passagens online

Viajar de trem é essencial para conhecer o Uzbequistão e suas clássicas cidades da Rota da Seda (TashkentSamarcandaBukharaKhiva). Por sorte, o país tem investido bastante e melhorado rapidamente sua malha ferroviária. É um bom sistema, mas que ainda tem seus “poréns” para os quais você precisa se preparar.

Nos posts anteriores eu relatei minha passagem pelas quatro cidades acima com alguns comentários breves sobre as viagens em trem, então resolvi fazer algo mais sistemático a quem planeja vir aqui. Vamos por partes. Primeiro mostrarei como são os trens e suas diferenças de qualidade, antes de então explicar como comprar as passagens online por conta própria.


Mapa do Uzbequistão. O roteiro clássico é percorrer (de leste para oeste): Tashkent – Samarkand – Bukhara – Khiva. Tudo isso se faz em trem.

As Estações de Trem no Uzbequistão

  • Seguras, confortáveis, e surpreendentemente tranquilas.
  • Acesso apenas a passageiros, com passaporte e ticket.
  • Note que Tashkent tem duas estações diferentes, de onde partem trens distintos.

As estações das principais cidades turísticas estão todas bem modernizadas. A entrada é permitida apenas a passageiros. Você precisará mostrar seu ticket e/ou passaporte (a depender do controle) para entrar no saguão principal. Isso as torna bem tranquilas e mais seguras também, em geral com ar condicionado e tal. Não há muvuca. Os taxistas ficam fora do portão à espera de passageiros que desembarcam. Dá um sossego a quem vai viajar, diferente de estações em alguns outros países em desenvolvimento da Ásia, ou mesmo das rodoviárias no Brasil, meio terra de todo mundo.

Observe que Tashkent tem duas estações: Yuzhny e Pass. Centr. Cuidado para não ir para a estação errada! Yuzhny (mais ao sul e próxima ao aeroporto) é de onde costumam sair os trens domésticos. Da outra tendem a sair os internacionais. Verifique o bilhete e também na hora da compra, pois linhas distintas saem de uma ou da outra. 

Khiva até recentemente não tinha, mas já tem sua própria estação de trem. Informações por aí sobre ter que se deslocar a Urgench estão defasadas — isso já não é mais necessário.

As estações de trem no Uzbequistão são todas assim, com portões por onde só passam os passageiros. Toda a muvuca fica do lado de fora.
Os prédios são portentosos. Aqui a recém-inaugurada estação ferroviária de Khiva (às vezes escrito Xiva. Pronuncia-se como se fosse Riva em português).
Interiores bem decorados e tranquilos.
Os embarques são todos em áreas externas, e em geral bem tranquilos.

Como são os trens uzbeques

  • Muito diferentes entre si em termos de velocidade e conforto.
  • Infraestrutura básica, mas suficiente. Conforto só nos Afrosiyob, de alta velocidade. 
  • Todos bem baratos, se você comparar com os preços na Europa ou no Japão.

Há uma variação muito grande de qualidade nos trens do Uzbequistão. Vão desde trens soviéticos algo sucateados a outros que fazem você achar que está na Europa.

Os melhores são os Afrosiyob, trens de alta velocidade de fabricação espanhola. Ele faz o trecho TashkentSamarcandaBukhara. (O Afrosiyob só recentemente passou a ir até Bukhara. Você talvez encontre informação defasada por aí dizendo que vai só até Samarcanda. O plano é que ele no futuro chegue até Khiva.

O trem de alta velocidade Afrosiyob, a menina dos olhos da companhia ferroviária do Uzbequistão. Muito confortável. Não venha sem experimentar.

O Afrosiyob faz os 300 Km de Tashkent a Samarcanda em 2h08min, mas não sai todos os dias. Ele sai da estação central de Tashkent, a Tashkent PACC (em cirílico). Já os trens comuns saem de Tashkent Yuzhny, que é a Tashkent Sul, uma estação antiga mas que foi reformada e reinaugurada em 2018. Esse faz Tashkent-Samarkand em 3h03min. Não é uma diferença muito grande. Mesmo o Afrosiyob é relativamente barato: 10.000 soums, na ocasião o equivalente a 10 euros. (Eu o tomei como o trem #762, pois na hora de reservar o que aparece é o número da linha, não o modelo do trem.)

A única coisa que distingue o Afrosiyob de um trem europeu dos mais novos é a presença de uma televisão em cada vagão, mostrando às vezes propaganda da própria companhia ferroviária, de patrocinadores, ou videos musicais uzbeques. Aquelas musiquetas repetitivas de comercial de TV ecoam até no banheiro, mas é tolerável.

Os banheiros são bem higienizados e todo o ambiente do trem é de qualidade. Passa carrinho de merendas e até um cidadão bem-vestido tomando pedidos de café (o meu demorou um pouco pra chegar).

O interior do Afrosiyob, como um trem europeu, com assentos e o espaço acima onde pôr as bagagens.
A televisãozinha ali e o painel mostrando a (hedionda) temperatura exterior (o interior tem ar condicionado) e a velocidade. Neste momento marcava 160 Km/h, mas vi ele depois chegar a 230 Km/h.

O Afrosiyob é uma coisa, já os trens ordinários são outra bem diferente. Ou melhor, outras bem diferentes, no plural, pois também variam entre si. O principal é saber se é um trem noturno ou diurno, pois os noturnos são feitos com leitos onde dormir (são os mais velhos de todos), enquanto que os diurnos têm poltronas.

O trem #004 de Tashkent a Samarcanda, por exemplo, é um trem diurno que tomei com uma estrutura de assentos, como você vê abaixo.

Três assentos diante de três em cada vagão. Note as duas televisões também, onde mostram um misto de filmes antigos, video clips uzbeques e comerciais. O condutor quando passa pergunta aos passageiros se querem que ligue a TV ou não. Os uzbeques são habituados a televisão como os brasileiros, então o provável é quererem que ligue. (Os uzbeques em geral são como os brasileiros do interior, portanto provavelmente tentarão puxar conversa também.)
Há outros arranjos assim, em que você vai meio bizarro olhando para a parede, mas tem quem prefira. (Você escolhe num mapinha que mostra, quando compra online. Chegaremos lá.)
Corredor do trem.
Os banheiros são aceitáveis, mas por via das dúvidas é bom trazer o seu próprio papel.
Os trens tradicionais do Uzbequistão têm esse arzão antigo, quase militar, que lembram a antiga União Soviética (alguns são mesmo ainda daquele tempo).

Já os trens noturnos, como o #056 que vai de Tashkent até Khiva (passando por Samarcanda, Bukhara e outras cidades no caminho), é seguramente do tempo da União Soviética.

Usei-o duas vezes. Posso dizer que está relativamente inteiro, funciona, mas carece de cuidados. São os mesmos trens que você encontra ainda hoje na Rússia, só que lá eles parecem receber manutenção constante. Já aqui sempre havia um parafuso solto, uma janela que não fechava direito, um fervedouro de água quebrado, essas coisas.

Corredor do trem noturno #056, com vários compartimentos por vagão. Aqui foram na 2a classe, a Kupê.
O interior dos compartimentos é assim. Na 2a classe (kupê), vão quatro pessoas. A roupa de cama está incluída. (Eu estava cá em cima. Note os cidadãos lá embaixo, um ainda dormindo.)

Como nos trens russos, você tem nesses trens noturnos 3 classes: (1) Luxo, (2) Kupê (essa aí das fotos), ou (3) Platzcart, onde não há compartimentos fechados, mas sim espaços abertos. Não cheguei a viajar em classe platzcart aqui no Uzbequistão, mas suponho que sejam semelhantes ao platzcart dos trens russos (que você pode ver no link pra aquele post).

Amenidades?

Nenhum deles têm wi-fi (nem o Afrosiyob), mas há tomadas.

Há também vagão-restaurante, embora com opções limitadas. Ao contrário dos trens russos, onde o fervedouro de água (samovar) sempre está carregado e há um condutor por vagão vendendo coisas simples como café solúvel ou macarrão instantâneo, eu aqui não pude contar com nem um nem outro. Dei com fervedouro quebrado e condutores que não vendiam nada. Traga água e comida suficiente consigo por via das dúvidas.

Se vier no verão (especialmente julho-agosto), tenha em mente que faz muito calor nos trens. Foi o meu caso, e eu suei feito numa sauna. O Afrosiyob é um passeio com ar condicionado, mas os outros têm uma ventilação apenas básica e que se desliga quando o trem para numa estação. É de estarrecer. Venha com roupas leves.

Como comprar passagens online

  • Comprar com antecedência não é obrigatório, mas é super conveniente.
  • O único desafio é navegar o site com nomes em cirílico, mas eu explico como fazer.
  • Até o momento o site só aceita cartão Visa. Não se usa MasterCard no Uzbequistão. 

As passagens abrem pra venda online uns 40 dias antes. No verão, não deixe para a última hora, pois alguns trens lotam. Além disso, a maioria das estações de trem no Uzbequistão ficam na periferia das cidades, o que significa que ir lá não é tão conveniente. Online você pode escolher seu assento, etc., sem precisar conversar isso com um funcionário uzbeque de inglês limitado atrás do balcão. 

O site oficial da companhia ferroviária uzbeque é: https://e-ticket.railway.uz/

No canto superior direito da página inicial você encontra onde mudar o idioma para inglês. Antes de iniciar qualquer compra, você precisa primeiro se registrar no site com seu e-mail. Não há mistério; você receberá um e-mail de confirmação com um link para ativar sua conta. Comigo ele chegou em instantes, mas foi parar na caixa de spam. Verifique. Ativada a conta, você pode começar a buscar por trens.

Embora o site possua uma versão em inglês (além de em russo ou uzbeque, caso você prefira), os nomes das cidades continuam com a grafia cirílica. Isso é porque muitos adentram a Rússia e vão aos demais países vizinhos onde o alfabeto cirílico ainda é usado. Cuidado para não se confundir e comprar passagem pro lugar errado.

Pode copiar daqui os nomes e colar no campo para facilitar. Tashkent é ТАШКЕНТ. Samarkand é САМАРКАНД. Bukhara se escreve БУХАРА. Khiva se escreve Хива. ТАШКЕНТ ПАСС ЦЕНТР é a estação Pass. Centr., de onde sai o Afrosiyob e a maioria dos trens internacionais. ТАШКЕНТ ЮЖНЫЙ é Tashkent Yuzhny, a estação sul, de onde saem os trens comuns país afora. 

Esta é a página geral da Companhia Ferroviária Uzbeque (http://railway.uz/en/). Clicando em Purchase Tickets você vai parar na página de compra, que eu linkei mais acima.

Novamente como nos trens russos, você nos trens mais longos têm as 3 classes a que me referi acima: Luxo (Люкс), Kupê (Купе), e Platzcart (Плацкартный). No meu post sobre os trens russos há fotos e explicação detalhada de como é cada classe.

Você pode escolher seu assento num mapa virtual do trem, ver quantas pessoas já há naquele compartimento específico, etc. É bem prático. Na hora de fornecer seus dados, na opção Document Type, selecione “Foreign Document” e forneça o seu número de passaporte.

Qualquer sinal de erro na página durante o processo de reserva, volte e verifique se os campos todos estão marcados e preenchidos corretamente. Às vezes, um simples espaçamento entre dois sobrenomes gera erro — você precisa grudá-los num sobrenome só, tipo SantosSilva. Desmarque também seleções dizendo que você quer janela ou corredor — basta selecionar o número do assento no mapa. A solicitação pode dar erro. Aconteceu comigo e precisei desfazê-la, caso contrário a página dizia que a solicitação não era possível de realizar e não ia pra frente.

A página é um pouco firulenta assim mesmo, mas com um pouco de paciência se resolve. (Prometo que você suará muito mais se tentar deixar ao Deus-dará para comprar pessoalmente na estação, sob risco de terem esgotado e no meio do povão. Os uzbeques, como os centro-asiáticos em geral, não entendem muito bem o conceito de fila.)

Às vezes você está no seu dia e encontra a bilheteria vazia assim, mas não é bom abusar da sorte. Em Tashkent, em especial, pode ser tipo uma rodoviária brasileira (só que nós brasileiros, apesar do que dizem as más línguas, somos muito mais respeitosos às filas do que a maioria dos asiáticos. O Japão é exceção, mas venha dar umas voltas na China, na Índia ou aqui na Ásia Central para ver).

Preços, Pagamento, e Gerenciando suas Reservas

Eu não vou citar os preços um a um aqui porque o Uzbequistão tem inflação tipo nossos vizinhos na América Latina, então eles breve poderiam estar defasados. O melhor é você conferir atualizado direto na página oficial. O resumo da ópera é que todos são sempre muito baratos. Pelo equivalente a USD 10-20 você viaja várias horas de uma cidade a outra.

O único cartão de crédito que eles aceitam é o Visa. Esqueça MasterCard; não existe a opção. Comprei com Visa emitido no Brasil sem problemas, mas certifique-se de seu cartão estar habilitado para uso no exterior.

Tal como no caso dos trens russos, as passagens (e-tickets) não lhe serão enviadas por e-mail. Você precisa acessá-las no site. Elas estarão sempre disponíveis em “My orders” (https://eticket.uzrailway.uz/cabinet/myorders.html). Note que após a compra é preciso fazer uma espécie de check-in, o que eles chamam de Electronic Registration, para poder visualizar o e-ticket. Não há mistério, basta clicar em “Expand”, depois no link “Electronic Regitration”, e finalmente em “Ticket Form” para salvar o PDF de cada ticket.

Imprima-o. Não dou garantia de que os oficiais uzbeques aceitem vê-lo na tela do celular. Embora eu tenha lido histórias de pessoas que subiram no trem só com o número de 14 dígitos que você recebe como confirmação, e embora eu ache que é, sim, possível, fica muito prático se você já for com o e-ticket impresso. Alguns trens não fazem a Electronic Registration, mas ainda assim há a opção de “Order Form”, onde você baixa uma confirmação da compra com todos os dados, seus e da viagem.

As reservas que têm somente um código de barras (em vez de dois) precisam ser trocadas na bilheteria por bilhetes propriamente ditos, uns carnês de cor marrom clara. Basta chegar um pouco antes do horário do seu trem e fazer a troca na bilheteria antes de adentrar os portões.

Pode parecer um pouco complicado, mas não é. Basta seguir passo a passo, dedicar uma horinha a experimentar o sistema, e logo você verá que tudo se esclarece. Aí é só ir pra a galera e juntar-se à turma viajando pelo Uzbequistão.


Se você ficou com alguma dúvida, quer algum toque, ou tem alguma pergunta que eu não respondi, é só pôr abaixo nos comentários.

Mairon Giovani
Cidadão do mundo e viajante independente. Gosta de cultura, risadas, e comida bem feita. Não acha que viajar sozinho seja tão assustador quanto costumam imaginar, e se joga com frequência em novos ambientes. Crê que um país deixa de ser um mero lugar no mapa a partir do momento em que você o conhece e vive experiências com as pessoas de lá.

One Reply to “Trens no Uzbequistão: Como são e como comprar passagens online

  1. Esclarecedor, na minha visão, mas complexo para quem não domina esse sistema de compra on line e ainda com língua diferente. Parabéns, pela habilidade .

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *