Itália

Trastevere: histórico e boêmio bairro em Roma

Trastevere já é um bairro histórico há muito tempo (como quase tudo em Roma é “há muito tempo”), mas ele recentemente tem recebido também uma aura de boemia turística. Parece que a mesma geração carpe diem atrás das ruas calorosas de Barcelona e dos canais de Amsterdã têm procurado também Trastevere.

Como seu nome sugere, o bairro fica na “outra” margem do Rio Tibre (Trans+Tevere), “outra” aí da perspectiva do original centro de Roma, onde ficam o Foro Romano, o Panteão, e todo esse coração antigo da cidade. (Cheguei a mostrar várias dessas localidades clássicas no meu post anterior em Roma, assim como o Vaticano noutro post.)

O bairro de Trastevere em Roma.

Somente no império de Augusto (27 a.C.-14 d.C.) é que o outro lado do rio passou a ser considerado também parte da cidade. À época, a elite romana começou a ter mansões aqui, afastadas do burburinho plebeu.

Na Idade Média é que o lugar começou a ganhar sua textura. A de ruelas estreitas, que até o século XV não eram sequer pavimentadas; e a de lugar alternativo. Vivia aqui muita gente pobre, inclusos aí imigrantes judeus, siríacos e de outras partes do Oriente Próximo, já desde aqueles idos.

Hoje ele é o lugar de Roma onde encontrar artistas de rua, pedintes hippies ainda crentes na “Sociedade Alternativa”, e restaurantes contra o menu turístico do típico turismo de massa na Itália. 

“Nós somos contra guerra e menu turístico”, o típico cardápio fechado padrão de muitos restaurantes em áreas visitadas da Itália. Este, com suas pimentas dependuradas e velas coloridas derretidas na pedra, tem outra filosofia.
Mesas de restaurante nas calçadas de Trastevere.
Um pouco do aspecto de Trastevere — e os pedintes italianos invariavelmente acompanhados de animais de estimação.
Ruelas, visitantes, e o casario.

Trastevere é procurado sobretudo nos fins de tarde, quando aquele apreciar do entardecer alonga-se para emendar com um jantar, e umas bebidas quiçá acompanhadas de música na rua.

Quando eu vim, era outubro, o calor ainda dignamente presente na Itália, ao contrário da realidade que eu deixava por alguns dias para trás mais ao norte na Europa. (Holanda e Suécia a essa altura já estavam em plena atmosfera outonal, com nuvens, chuvas, e necessidade de jaqueta.)

Há muitos turistas, jovens de corpo ou jovens de espírito. Não ache, no entanto, que Trastevere festa. Ele é festa por sobre legado histórico — como manda Roma.

Músicos na rua preparando-se para tocar, no anoitecer. Ali atrás é a Fontanone di Ponte Sisto, erigida em 1612 aqui na Piazza Trilussa.
A charmosa Ponte Sisto, de 1479 sobre o Rio Tibre. Hoje em dia todos os caminhos levam a Trastevere em Roma, mas este é o mais pitoresco de todos (e exclusivo a pedestres).
Esta é a Porta Settimiana em Trastevere, parte da Muralha Aureliana erigida em Roma no século III d.C. (Os parapeitos medievalescos foram agregados mais tarde sob o papa Pio VI em 1798.)
As trattorias e o casario em tons amarelos e róseos que caracterizam tanto das ruas em muito da Itália.

O coração do bairro é hoje a Piazza di Santa Maria in Trastevere. Antes mesmo da legalização do Cristianismo em 313 d.C., o então bispo de Roma — referido na historiografia como Papa Calisto I — aqui fundava em 220 d.C. um dos primeiros santuários cristãos em Roma. Daí o Palazzo di San Callisto ao lado da Basílica di Santa Maria in Trastevere.

A placa entre características janelas.
A piazza, com a basílica ali defronte e o palácio barroco de São Calisto aqui ao lado esquerdo. Ele pertence à Santa Sé, embora aqui estejamos fora do Vaticano.
A Basilica di Santa Maria in Trastevere foi completada em 1143. Ela data de antes do gótico, e foi erigida por sobre estruturas mais antigas que remontam ao século IV.
Seu interior romanesco.
O teto é digno de nota.
O altar da basílica com as iluminuras características da época.

Do lado de fora, vibra a Itália atual — com sua gente jovem afinada na moda, os excessos de motocicletas e carros por estas vias que não foram feitas pra eles, e a arte, sempre presente na Itália de uma forma ou de outra.

Aloquei-me numa varanda de restaurante onde o garçom trocava entre inglês e italiano comigo, onde ceei um prato de massa que estava bom — apesar da localização turística — e vi a noite cair. 

Vias em Trastevere.
Garçons à entrada de um restaurante.
O movimento de turistas àquelas horas suspeitas.

Ecce Trastevere, misturando épocas, e um belo programa de fim de tarde nestas paragens romanas.

Arte de rua em Trastevere.
Seus caminhos e gente. 

Cenas do filme Para Roma com Amor (2012), de Woody Allen, foram filmadas aqui em Trastevere. Para ver as principais atrações de Roma, veja meu outro post na cidade, além do Vaticano.

Mairon Giovani
Cidadão do mundo e viajante independente. Gosta de cultura, risadas, e comida bem feita. Não acha que viajar sozinho seja tão assustador quanto costumam imaginar, e se joga com frequência em novos ambientes. Crê que um país deixa de ser um mero lugar no mapa a partir do momento em que você o conhece e vive experiências com as pessoas de lá.

One Reply to “Trastevere: histórico e boêmio bairro em Roma

  1. Uhhhhh que interessante, esse bairro!… com muito do espirito italiano mas com um molho, um certo charme diferente, mais mundano, mais descolado, mais moderno e mais alegre, embora Roma seja uma cidade vibrante. Ha mesmo algo de diferente. Algumas ruelas lembram algumas partes de Atenas, as muralhas e os arcos lembram a Europa do Leste, enfim, uma beleza de bairro. Movimentado e cheio de vida. Belos templos, lindas muralhas vetustas e belas pontes, linda arquitetura.E il Tevere continua muito bonito. Um charme como é sempre a Bella Itália. Gostei.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *