Camboja

Angkor, Camboja (Parte 5): A cidade antiga de Angkor Thom e Bayon, o templo das faces

Estamos chegando agora à “nata” do que há neste Parque Arqueológico de Angkor. Tudo é bonito, mas algumas coisas são mais, e eu sou do tipo que gosta de deixar o melhor para o final.

Aproximávamos-nos agora de Angkor Thom — literalmente a “Grande Cidade” — capital do rei Jayavarman VII (1122 – 1218 d.C.) no tempo dos Khmer.

Angkor Thom portanto não é um templo, mas todo um espaço dentro do parque arqueológico. É toda uma área que abriga muitos templos de uma mesma época.

Lembram-se de uma das fotos que compartilhei antes, com uma muralha e um portal de entrada? Vejam o lugar novamente abaixo. São as muralhas de Angkor Thom, de mais de 800 anos de história.

As muralhas e entrada para Angkor Thom diante de uma ponte com os homens a segurar as serpentes naga, e a face sorridente do iluminado por sobre a entrada.

Eu comentei sobre as serpentes naga e sua simbologia guardiã na mitologia hindu-budista. Dizem que, quando demônios ameaçavam o Buda em meditação para perturbá-lo, uma dessas cobras de pescoço largo (é de onde vem o nosso nome “naja”) com múltiplas cabeças se interpôs por sobre o homem para protegê-lo.

Em quase todas as pontes aqui do parque, as laterais são longas fileiras de guardiães segurando essas imensas cobras. Angkor Thom era circundada por canais de água, como um fosso ao redor da muralha quadrada, para proteção. 

Você percebeu um rosto esculpido na pedra por sobre a entrada? Se não viu ainda, o verá mais claramente nas fotos abaixo.

Trata-se de uma face bondosa, de olhos fechados e sorridente, do bodisatva Avalokitesvara. Como cheguei a explicar, o budismo cultua não somente Sidarta Gautama, o Buda histórico, mas também várias figuras mitológicas que são considerados “iluminados” (ou bodisatvas). Esses às vezes são vinculados a virtudes específicas, e Avalokitesvara é o associado à compaixão. Muito querido dos Khmer naquele tempo. 

Todo esse estilo arquitetônico que você vê, datado dos idos de 1200, é o chamado estilo Bayon. Seu ápice é certamente o Templo Bayon, talvez o mais precioso dentro do perímetro de Angkor Thom — e a meu ver o mais belo de todo o parque.

Reparem no rosto de Avalokitsvara talhado na pedra, de 1200. Estilo Bayon.

Quando entramos nesta reta final de templos, estávamos por volta das 3 da tarde. O sol já se fazia presente como nas tardes brasileiras. Foi quando o motorista anunciou seu plano.

Notem que as culturas asiáticas não são exatamente notáveis pelo valor da transparência. As pessoas aqui podem ser muito amáveis, mas não há aquele costume de consultá-lo, participá-lo nas decisões. Foi neste momento que eu descobri que o motorista já tinha todo um plano na cabeça sobre onde veríamos o pôr-do-sol — só não tinha se dado ao trabalho de me dizer, muito menos perguntar o que eu achava.

Eu queria ver o pôr do sol do célebre Angkor Wat, o mais famoso dos templos deste parque, para fechar a visita com chave de ouro. O motorista pensava deixar isso pra lá e ir me levar para ver o pôr do sol do alto do Ta Keo, um dos outros templos daqui. 

Troca. Vamos primeiro no Ta Keo“, declarei solene. Eles tampouco lhe fazem oposição, mas se você não se manifestar, não terá voz nenhuma. De hábito, depois da coisa já feita é que eles então perguntam se você gostou.

Fomos então de imediato ao Ta Keo, que se mostrou um templo bonito (ainda que simples). Alto, certamente de bela vista, embora talvez seus degraus íngremes não sejam indicados para qualquer um à hora do apagar das luzes.

Boa tarde do alto do Ta Keo. (Minha avó teria perguntado ao motorista se era a mãe dele que iria descer isto aqui de noite depois do pôr do sol.)
Diante do Ta Keo, templo do ano 1000.

O Ta Keo data de antes do estilo Bayon. Estima-se que ele tenha sido completado nos idos do ano 1000 sob o reinado de Jayavarman V, em homenagem ao deus hindu Shiva.

O templo segue o estilo arquitetônico piramidal (destas pirâmides escalonadas como as do México), como um templo-montanha semelhante a alguns outros que vimos. O Pre Rup, que mostrei na parte 3, foi feito pelo pai deste rei algumas décadas antes.

Esse formato emula o mítico Monte Meru, centro do mundo e morada dos deuses na cosmologia hindu-budista. Um pouco como o Monte Olimpo dos gregos antigos.

Vamos agora subir esta “montanha”. Não é algo do outro mundo se você tiver pernas, mas o faça com cuidado. (Parte dos visitantes acaba subindo de quatro, com as mãos no chão para se apoiar.) Acho mais seguro de dia que de noite, mas fica a seu critério.

A vista lá de cima. Olhe como as pessoas ficam miúdas. São 21m de altura esta última plataforma da pirâmide.

A vantagem deste parque ser tão grande é que os muitos turistas se dispersam. As multidões ficam concentradas nos templos principais, e quando você vem a estes outros menos conhecidos, às vezes vê mais cambojanos ali “de boa” ou vendendo algo que visitantes.

Desci do Ta Keo a tempo de ver duas cambojanas numa moto que trazia ao lado toda uma barraca equipada com uma roda. Vocês ficam aí achando que só brasileiro é criativo… Criativo é todo e qualquer um que na vida tem que se virar, e isso nos países em desenvolvimento é o que mais se vê.

Moças trazendo sua barraca na moto. Note a roda da barraca lá na esquerda.
Pequeninos e vazios templos ali entre as árvores me chamaram a atenção.
Este é o Thommanon, do início do século XII.
Este é o Chau Say Tevoda, do outro lado da rua, da mesma época (século XII). Poucas pessoas ali circulavam.
Mal virei os olhos e já estavam ali as moças vendendo, com sua barraca instalada.

Caminhar era preciso. Agora finalmente adentraríamos as muralhas de Angkor Thom, pelo chamado Portão da Vitória. 

Como o arqueólogo francês Lucien Fournereau, em 1889, julgou ter sido o templo-palácio Baphuon na Idade Média.

O rei Jayavarman VII ordenou a construção desta nova capital nos idos de 1200 como um registro da prosperidade que os khmer então experimentavam. Seu palácio real de pedra aproveitou o já existente templo Baphuon e o expandiu. 

Como nos casos de algumas outras civilizações antigas (os mayas, os egípcios), você não vê ruínas das casas das pessoas, pois estas eram feitas de materiais perecíveis como madeira, palha e adobe. Rochas, sim, estas duram, mas eram usadas apenas nas obras de estado.

Uma espécie de passarela de pedra por entre a mata.
A estrutura com seus mais de 100m de aresta.
A plataforma mais alta está a 34m do chão. Imaginem a vista que se tinha daqui naquele tempo, com os arredores pululando de gentes, elefantes…
O templo-palácio Baphuon, do que era a cidade Angkor Thom. Hoje, as ruínas dessa monumental estrutura de pedra dos khmer.

Essa edificação, contudo, não era o centro de Angkor Thom. O coração da cidade era o Templo Bayon, que comecei a mostrar no início do post, a obra-máxima do reinado de Jayavarman VII.

Seu nome original era Jayagiri, ou Montanha da Vitória. Esta vitória a que a obra e também o portão da cidade se referem é aquela contra os vizinhos Cham, na guerra em que Jayavarman VII consolidou sua liderança para se tornar o monarca mais poderoso da História Khmer. 

O Bayon é uma edificação massiva e imponente que, no entanto, se destaca pela serenidade das 216 faces búdicas que a adornam. São rostos do bodisatva da compaixão, Avalokitesvara, que ficam especialmente notáveis sob o sol do entardecer.

O Templo Bayon sob o sol.
O Bayon é às vezes apelidado de “templo das faces”.
São 216 rostos semi-idênticos da figura mitológica budista Avalokitesvara, o ser iluminado (bodisatva) associado à compaixão. (É um pouco como, digamos, o Arcanjo Miguel no Cristianismo, uma entidade mencionada nas escrituras e que os cristãos creem existir, mas que não se refere a uma pessoa histórica. O mesmo se aplica a Avalokitesvara entre muitos budistas.)
A torre mais alta, a 43m de altura.
A floresta de pedra do Bayon lá atrás.

O Bayon é um verdadeiro labirinto. Não achem que o verão em 20 minutos. Você ali por dentro tem meandros, câmaras e escadarias que o fazem se perder por entre as faces sorridentes.

Junto com você, muitos turistas e por vezes também macacos passeando lá e cá, como não é raro em templos hindus ou budistas aqui na Ásia.

Adentrando o Bayon, com suas múltiplas galerias e passagens por entre as pedras.
Floresta de pedra do século XIII.
Detalhes estão por toda parte, como aqui estes dançarinos.
Lado ensolarado do Bayon.
Macacos e passagens muitas no templo.
O sol como adentra lá.

É fascinante. Dos complexos mais impressionantes que já visitei na vida. Incrível como permanecem de pé por mais de 800 anos estas ruínas de templo tão majestosamente construído no tempo dos Khmer.

Monges budistas em seus robes cor de laranja ou de açafrão diante do templo Bayon hoje.

Era preciso seguir. Restava ainda um templo por ver neste dia, o mais famoso de todos: o Angkor Wat. Vem a seguir para concluirmos nossa visita.

Monge adentrando o Bayon.
Mairon Giovani
Cidadão do mundo e viajante independente. Gosta de cultura, risadas, e comida bem feita. Não acha que viajar sozinho seja tão assustador quanto costumam imaginar, e se joga com frequência em novos ambientes. Crê que um país deixa de ser um mero lugar no mapa a partir do momento em que você o conhece e vive experiências com as pessoas de lá.

One Reply to “Angkor, Camboja (Parte 5): A cidade antiga de Angkor Thom e Bayon, o templo das faces

  1. Uaauu. Estou no ar!… sem palavras para descrever a sensação que causa a visão desse complexo arquitetônico. Fabuloso. Que portal!… que conjunto!… uaauuu. Parece que você entrou em uma selva de pedra harmonicamente construída que inspira serenidade e bondade emoldurada pelo verde das arvores. A natureza como que se harmoniza com a cultura, a religiosidade e o misticismo. As belíssimas esculturas talhadas na pedra ganham vida e expressão, a dar as boas vindas aos que ai chegam. São parte da natureza. Como se sempre estivessem ali. Impressionante.
    Cada área visitada é mais bonita que a outra e não se sabe escolher. Cada postagem aparece um conjunto tão, ou mais, bonito. Mas o jovem viajante tem razão. Este conjunto com aquela entrada magnifica é dos mais belos e majestosos. De ”babar” haha. Maravilhoso e rico esse parque. Imperdível.
    Imaginemos a vida correndo solta ha tempos atrás. Deveria ser um quadro soberbo.
    Esta ultima foto com o monge de habito laranja, nos dá uma belíssima amostra do que seria nos tempos de outrora.
    Belas e significativas manifestações culturais, Expressivos entalhes na rocha capazes de criar emoções e sentimentos. Incríveis.
    O parque respira paz e reverencia. Os raios dourados do sol criam mais beleza ainda.
    Parece que os atores de priscas eras se encontram presentes a acompanhar os visitantes.
    Impressionantes cenários.
    Excelentes postagens. Surpreendentes sítios. Valeu viajante.
    A Ásia cada vez me encanta mais. É bela e misteriosa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *