Noruega

Viajar pela Noruega: Dicas, alertas, e aonde ir

A Noruega é um dos países europeus mais lindos que há. Afora este casario pitoresco, suas montanhas cinzas, vales verdes (brancos no inverno) e fiordes azuis encantam cada vez mais visitantes.

Aqui eu faço um breve balanço das minhas idas ao país, e mais abaixo ponho algumas dicas sobre custos, transportes, e lugares a conhecer, dentre outros. Havendo dúvidas, pode perguntar nos comentários.

  • O que mais gostou. Das paisagens naturais maravilhosas, sobretudo os fiordes entre as montanhas.
  • Visita obrigatória. Fazer o roteiro Norway in a Nutshell entre Oslo e Bergen. Por mais que você visite outras partes do país, certas partes desse roteiro — como a tradicional Ferrovia de Flam (Flamsbana) e o passeio de barco pelos fiordes — são quintessência norueguesa.
  • O que não gostou. Dos preços altos. A Noruega é dos países mais ricos do mundo, e coisas do dia-dia como alimentação custam bastante. A menos que seus bolsos sejam profundos, é preciso atenção com os custos (detalhes mais abaixo).
  • Queria ter visto mas não viu. As Ilhas Lofoten e as árticas Ilhas Svalbard, ambas no norte do país. Requerem alguns dias dedicados só a elas. Ainda estão na minha lista. Também ainda quero ver a aurora boreal, talvez em Tromsø.
  • Comes & bebes a experimentar. Peixes e frutos do mar são típicos aqui. Há também um queijo norueguês marrom chamado brunost, que mais parece um bloco de caramelo um pouco salgado. Eu acho o gosto esquisito, mas há quem goste. Experimente e veja se você é uma dessas pessoas. 
  • Momento mais memorável da visita. O passeio de barco no Nærøyfjord, no roteiro Norway in a Nutshell. Deslizar as águas sob o vento por entre as montanhas é uma sensação épica, que faz você se sentir em algum filme de fantasia ou aventura.
  • Alguma decepção. A Ferrovia Rauma me decepcionou um pouco porque eu não havia me dado conta do quanto ela é curta. Fazem uma propaganda danada dela — e é muito bonita, mas a parte mais interessante dura menos de 1h, o que é pouco para viagem de trem. Fica quase parecendo brinquedo da Disney.
  • Maior surpresa. Que mesmo o extremo norte da Noruega — para além do Círculo Polar Ártico — seja habitado, com muitas casas, árvores, carros estacionados… há paisagens lindas, mas não espere encontrar um lugar selvagem “aonde o homem jamais foi”. 

Passeio de barco de duas horas pelo Nærøyfjord, no roteiro Norway in a Nutshell.

Vistos & Imigração. A Noruega não faz parte da União Europeia, mas pertence à Zona Schengen de fronteiras abertas. Nem brasileiros nem portugueses precisam de visto para passar até 90 dias no país como turista.

Como ela não faz parte da União Europeia, verifique se seu seguro-viagem ou plano de deslocamento de celular a cobrem, caso você os adquira. Afora estes aspectos, o não-pertencimento da Noruega tem pouco ou nenhum impacto no turista.

Clima, quando vir, e melhores épocas. A Noruega é um país nórdico mas de estações do ano bem definidas. Não faz frio o ano inteiro. Os invernos (dez-mar) têm neve, temperaturas na casa dos -10 a 5 graus, e dias curtos — bastante curtos nas áreas mais ao norte. Tipo o amanhecer às 8h30 e anoitecer às 15h30. Porém, é uma época mágica com o branco da neve e a natureza toda quieta.

O verão (jun-set) é a alta estação, com mais horários de transporte, museus com atrações extras e horários de funcionamento estendidos, mas também maior quantidade de turistas. Requer fazer as reservas com antecipação de alguns meses, sobretudo se você desejar preços promocionais. Na costa, como em Bergen, há chuvas de verão nessa época, daquelas que vêm e passam.

As meias-estações (primavera e verão) são o meio-termo. Não conheço de perto a Noruega nesse período, mas moro na vizinha Suécia e posso imaginar que maio deve ser encantador, já com flores. (Abril talvez ainda seja cedo.) Aviso também que outubro é o mês das folhas coloridas — em novembro as árvores já perderam as folhas, e é um mês bem chuvoso.

Parque em Oslo no verão, em julho. Dia com seus 25 graus, embora a noite possa ainda requerer uma jaqueta aos mais sensíveis ao frio.

Dinheiro & Câmbio. A Noruega tem sua moeda própria, as coroas norueguesas (Norwegian Crowns, ou Kroner em norueguês, então se vir a abreviação kr, você já sabe a que se refere. A abreviação formal é NOK).

Um euro sai na faixa de 10,5 NOK, enquanto um dólar está por 9,5 NOK, embora isso flutue. Para facilitar sua vida no dia-dia, você pode imaginar que 10 NOK equivalem aproximadamente a um euro ou dólar.

Não se iluda com esses números grandes. Um café vai facilmente lhe custar 25 ou 30 coroas, e uma refeição em restaurante sairá na casa dos 250-300 NOK. Olhe aí as cédulas na foto.

Coroas norueguesas (kroner), a moeda oficial da Noruega. Um euro ou dólar equivale aproximadamente a 10 coroas, abreviadas oficialmente como NOK.

Viu bem as notas?

Pois saiba que este provavelmente terá sido seu único encontro com elas. A Noruega — como os demais países nórdicos — tem uma economia bastante digitalizada. Quase tudo se processa com aplicativos ou cartão. Paga-se um cafezinho e muitas vezes até frutas na feira com cartão.

Eu sugiro que você nem gaste dinheiro fazendo duas conversões — de Real para moeda forte, e de moeda forte para coroas — pois se arrisca a voltar para casa com suas notas de NOK como souvenir.

Custos, acomodação, e transporte. Os custos de uma viagem à Noruega são elevados, então não planeje passar muito tempo aqui a menos que disponha de amplos fundos.

Acomodação é do que mais custa. Um quarto num bom hotel 3 estrelas nas principais cidades custará na faixa de 100-150 euros por noite. Albergues cobram na faixa de 30 euros por noite numa cama em dormitório. Estes não são muito numerosos, então sua possibilidade de escolha será limitada.

Nas cidades menores mais ao norte, os preços podem ser mais camaradas. Você pode até encontrar hoteis 4 estrelas por menos de 100 euros a noite num quarto duplo.

A Noruega é um país bem extenso, então você também precisará fazer uso extensivo de transportes. Eu fiz um post todo dedicado às reservas e roteiros de trem, o melhor modo de se deslocar aqui. A mesma companhia estatal (VY.no/en) também coordena os ônibus. Para distâncias maiores, a Norwegian.com é sua melhor opção.

A VY abre as reservas 120 antes. Comprar com antecipação de alguns meses é a melhor forma de economizar. Você paga menos da metade do que terá que pagar se comprar de véspera.

Garoto-propaganda num trem norueguês no inverno.

Quanto a transporte urbano, em Oslo uma passagem de bonde ou ônibus sai cerca de 3 euros. Nas demais cidades, você faz tudo a pé.

Alimentação deverá ser o próximo item a considerar no seu orçamento. Aqui as pessoas ganham bem, então tudo que inclua serviços (ex. restaurantes) custa caro. Uma refeição em restaurante convencional com cardápio etc. facilmente sai na faixa de 20-35 euros mais bebida.

Se você quiser economizar, uma saída pode ser fazer parte das suas refeições em redes de fast food (o Subway está por toda parte) ou com lanches de lojas de conveniência. Você verá a rede Narvesen por todo o país. Ela também oferece promoções de café + quitute por preços camaradas de manhã.

Café com quitute é algo de praxe aqui na Escandinávia.

Para algo com mais sustança, você pode ver alguma birosca asiática de comida chinesa ou indiana. Costumam ser menos glamurosos, mas mais em conta.

Uma dica orçamentária é evitar bebidas alcóolicas na Noruega. Elas são altamente taxadas aqui. Um cálice de vinho pode facilmente sair pelo equivalente a 10-15 euros. Em alguns lugares, a bebida chega quase a ser o preço da refeição.

Aonde ir? Quantos dias em cada lugar? A Noruega é mais um destino para ver paisagens e natureza que cidades. As cidades tendem a ser pequenas, daquelas onde tudo se faz a pé. A própria capital Oslo não tem mais que 700 mil habitantes. Por vezes, o mais interessante são as vistas nas viagens entre uma cidade e outra.

Oslo (2-3 noites) oferece o Museu do Navio Viking e também um interessante Museu de Cultura Folclórica, que fica especialmente atrativo no verão, com pessoas caracterizadas e shows de dança típica durante o dia. Também há o Centro do Prêmio Nobel da Paz, concedido aqui todos os anos. Não é uma cidade extensa nem especialmente turística, mas ela tem também seus parques, praças e prédios de época bons de ver e fotografar.

No Museu do Navio Viking, em Oslo.

Bergen (2 noites), a segunda maior cidade do país, é sem dúvida a mais pitoresca delas. É bem menor que a capital, mas mais fofinha e típica, com casario colorido de séculos atrás e um porto bonito, além de funicular para subir à montanha e ter belas vistas da enseada.

Bergen durante o inverno.

Uma recomendação que eu faço é percorrer o roteiro Norway in a Nutshell de Oslo a Bergen, e depois tomar um trem direto de retorno de Bergen a Oslo, pois as vistas serão diferentes em boa parte do trajeto.

Note que, se fizer esse roteiro durante o inverno, será preferível pernoitar em Flam ou ali próximo, para poder tomar o barco pela manhã — com luz do dia. Em janeiro, escurece por volta das 15h30, então navegar o fiorde depois desse horário não terá graça, pois será no escuro. 

Já mais ao norte, Trondheim (2 noites) é uma cidade que merece ser visitada, sobretudo pela sua estupenda catedral medieval do século XIV.

Nidarosdom, a catedral de Trondheim, principal arcebispado e sede da Igreja da Noruega. Uma joia arquitetônica do século XIV na cidade mais histórica do país.

Se você quiser ir ainda mais ao norte, pode tomar o trem até o fim de linha das ferrovias da Noruega em Bodo, acima do Círculo Polar Ártico. Bodo (1-2 noites) é uma cidade pequena e sem grande coisa, mas vale pela viagem de trem ao longo de 729 Km de paisagem nórdica de Trondheim até ela, na chamada Nordlandsbanen.

Afora isso, há lugares que eu ainda não conheci, como a cidade de Stavanger no sul (mais famosa pela indústria do petróleo que pelo turismo) e muitas, muitas trilhas pelas montanhas. A mais famosa destas talvez seja a que termina em Trolltunga.

De avião você pode ainda conferir as Ilhas Svalbard, onde há ursos polares e muitos pa$$eios de snowmobile, etc. E pode ver também as Ilhas Lofoten com suas paisagens. Há um ferry a essas últimas desde Bodo, mas elas são mais facilmente acessíveis de avião, com um voo da Norwegian a partir de Oslo. 

Vistas do trem na Nordlandsbanen, a ferrovia entre Trondheim e Bodo, já acima do círculo polar ártico (no verão).

São das vistas mais memoráveis que há. Uma viagem à Noruega é sempre inesquecível.

Se você ficou com alguma dúvida, quer algum toque, ou tem alguma pergunta que eu não respondi, é só pôr abaixo nos comentários. 

Mairon Giovani
Cidadão do mundo e viajante independente. Gosta de cultura, risadas, e comida bem feita. Não acha que viajar sozinho seja tão assustador quanto costumam imaginar, e se joga com frequência em novos ambientes. Crê que um país deixa de ser um mero lugar no mapa a partir do momento em que você o conhece e vive experiências com as pessoas de lá.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *