Dinamarca

Copenhague no verão: Nyhavn, o Castelo Rosenborg, e a Coleção de David

Copenhague é aquela pessoa bonita porém reservada. Não fala muito de si; você tem que ir ali descobri-la. E quando descobre, fala à pessoa até meio indignado: “E você não diz nada? Fica aí assim?

Levando em conta que a marca de chocolates Kopenhagen nada tem a ver com a cidade — deriva de uma família de origem alemã que fundou a rede de lojas no Brasil —, a grande maioria dos brasileiros nada sabe sobre Copenhague, a capital da Dinamarca.

Eu já a apresentei a vocês em duas ocasiões anteriores: no outono e no inverno. Agora o faço no verão, a estação da luz solar, das ruas movimentadas na capital e, em se tratando de agosto na Europa, é também é em geral o mês do orgulho LGBT, então não se surpreenda se vir as bandeirinhas arco-íris em ônibus e noutras partes.

Bem-vindos à Estação Central de Copenhague, København para os íntimos dinamarqueses.

A região metropolitana de Copenhague abarca 2.4 milhões de pessoas, quase metade da população da Dinamarca. É uma cidade com certo porte, ainda que quase tudo no centro se faça a pé. Não é miúda, mas se você for dos que se dispõem a passar o dia caminhando para lá e para cá, pode ver tudo com a força das pernas.

Eu tive a fortuna de encontrá-la num dia de sol, vendo este reluzir nos diversos tons de louro, assim como nos muitos imigrantes que aqui habitam. 

Copenhague numa manhã de verão.

Logo defronte à estação estão os Jardins de Tivoli (Tivoli Gardens), um parque fechado — e pago — pelo qual eu desta vez apenas passaria. (Aguardem-no na primavera.) O nosso rumo por hoje era o miolo do centro, passando inicialmente pela portentosa prefeitura da cidade.

A entrada principal dos Jardins de Tivoli sob o sol do verão, com bandeiras dinamarquesas ali hasteadas.
A portentosa prefeitura de Copenhague a observar os arranjos para os festejos coloridos do orgulho LGBT.
Arquitetura, sol e bicicletas.

Após Amsterdã na Holanda, Copenhague é provavelmente a capital do ciclismo. Você vê bicicletas por toda parte. Como tem seus canais, esta capital dinamarquesa até parece a holandesa em certos aspectos.

Canais! Em Copenhague.
Copenhague ou Amsterdã?
Quem já conhece Amsterdã notará muitas semelhanças, ainda que no fim das contas as duas cidades se revelem distintas.
Essa é a barroca Igreja do Nosso Salvador (Church of Our Savior), das mais conspícuas da cidade por sua ponta em hélice. Em português essa estrutura na ponta de torres se chama coruchéu.
Veja que maravilha. Na Holanda não se veem dessas pontas helicoidais.
Outra coisa é que aqui as igrejas funcionam como igrejas, não como clubes, museus ou livrarias como na Holanda. 
Esta é a famosa Torre Redonda (Rundetaarn) de Copenhague. Ela é parte da Igreja da Trindade (Trinitatis Kirke).

Caso você tenha curiosidade, a Igreja da Dinamarca segue o rito luterano. Quando Henrique VIII famosamente separou a Inglaterra da Igreja Católica porque o papa não quis permitir que ele se casasse novamente, fundou-se a Igreja Anglicana na Inglaterra, independente ainda que com estética muito parecida à católica. Menos se sabe sobre isso, mas os países escandinavos pouco depois fizeram o mesmo.

Assim há a Igreja da Dinamarca, a Igreja da Suécia, e a Igreja da Noruega, todas hoje luteranas e cada uma independente. As pessoas nesses países, porém, hoje em sua maioria não são muito religiosas.

O interior da Igreja da Trindade, em Copenhague.
Seu maravilhoso órgão. As igrejas escandinavas e luteranas têm menos em artes visuais que as mediterrâneas, mas a parte sonora sempre é importantíssima. É comum que haja concertos de música barroca ou sacra.
Torre de uma outra igreja contra o céu em Copenhague.

Você de qualquer maneira nota essa característica arquitetura de tijolinhos, típica desta região do Mar do Norte, onde nunca houve muitas pedreiras. Ou seja, não havia rochas para usar em construções como no centro-sul da Europa. As edificações se fizeram com tijolos cozidos nessa cor de telha, aqui como na Holanda e no norte da Alemanha ou da Polônia.

Igreja e abraços, com os tijolinhos característicos desta região do norte da Europa.
Estilos também viajavam. No pós-renascimento, foi comum que arquitetos holandeses — dentre outros — fossem Mar do Norte afora a fazer da sua arquitetura maneirista noutras bandas, como aqui no centro de Copenhague.
Já este estilo quase castelesco, muito encontrado aqui pela Escandinávia (na Dinamarca como na Suécia), data de fins do século XIX e começo do XX. Ainda é muito comum de ser visto aqui em Copenhague como em Estocolmo.
Na Praça Amager (Amagertorv), aqui desde a Idade Média, quando aldeãos da ilha de Amager vinham vender seus produtos na capital.

Eu segui caminhando, por entre essas praças e prédios de época, até o pitoresco porto Nyhavn, talvez o ponto mais emblemático de toda Copenhague. Ele fica bem no centro, dos tempos do século XVII, quando mercadores faziam fortuna na cidade.

Eu cheguei a mostrá-lo quando vim a Copenhague no inverno, e agora o mostro no verão.

No porto Nyvavn com seu típico casario colorido escandinavo, um dos pontos mais emblemáticos de Copenhague. (Os cadeados, típicos em muitas pontes Europa afora, são postos por enamorados para simbolizar sua ligação.)
O porto de Nyvavn no verão. (Eu gostaria de dizer que ele está sempre ensolarado nesta época do ano, mas seria mentira. O verão nesta região é sempre algo traiçoeiro; há sempre nuvens e chuvas passageiras à espreita.)

Aí viveu o escritor Hans Christian Andersen (1805-1875), autor de muitas históricas infantis mundialmente conhecidas, como O Patinho Feio, O Soldadinho de Chumbo, ou A Pequena Sereia (esta depois convertida em filme da Disney em 1989).

É curioso porque, nessa época, já no século XIX, a proeminência de Nyhavn como lugar próspero havia caído. Os mercadores foram embora daqui após as Guerras Napoleônicas do início daquele século, e o porto se converteu em antro de marujos, prostitutas… e artistas. Um pouco talvez como uma versão marinhesca de Monmartre em Paris.

Depois, se converteria ao turismo, como ocorreu a tantas outras partes — inclusive o Pelourinho, em Salvador, que já foi famoso por outras coisas entre o fim da escravatura e sua redescoberta turística.

Lampião — que certamente já foi a gás — e o casario típico dos antigos mercadores do século XVII em Nyhavn, sob um céu cinzento mesmo no verão.

Escondi-me numa loja de souvenirs quando a chuva chegou. Chegou e passou com certa celeridade, embora o restante do dia fosse ficar nublado. O verão mesmo assim garantia temperaturas amenas de seus vinte e poucos graus.

O tempo assim a pedir um abrigo, fomos conhecer a impressionate Coleção de David (David’s Collection, ou Davids Samling em dinamarquês), um museu gratuito com a coleção de peças e tesouros artísticos do finado empresário dinamarquês Christian Ludvig David (1878-1960), que morreu legando tudo à exibição pública, sem deixar herdeiros.

A Coleção de David, com as muitas obras colecionadas pelo magnata dinamarquês Christian David (1878-1960). Era a casa dele, hoje um museu gratuito.
Antiga morada do Sr. Christian David, que hoje alberga a sua coleção de livre acesso ao público.

O Sr. David, apesar do nome “Christian”, era ligado mesmo em arte islâmica, cujas obras são o que mais faz famosa esta coleção. Exceto pelo Museu do Louvre em Paris ou pelo Museu Britânico em Londres, não sei se já vi tão impressionante coleção deste tema na Europa.

Gravura da islâmica Ásia Central ou da Pérsia medieval.
Alcorão ilustrado, ao lado de jarros e vasilhas do Oriente Médio.
Azulejos árabes, muito comuns na Ibéria islâmica da Idade Média.
Um dos muitos belos tapetes da coleção legada pelo Sr. David.

Bem pertinho daqui está o Castelo Rosenborg, um dos muitos da família real dinamarquesa. A Dinamarca é uma monarquia parlamentarista, como o Reino Unido, a Espanha, a Holanda, a Suécia, dentre outros. Como nesses demais países, os monarcas aqui têm um papel mais figurativo que executivo.

Rosenborg data de 1606 e fica envolto pelos Jardins Reais, hoje livres ao público e floridos durante o verão. Ele faz o estilo maneirista de renascimento holandês do século XVII como tantas outras peças na cidade.

Eu confesso que não sei se seu nome vem das rosas. Elas não me disseram nada.
O Castelo Rosenborg, de 1606, em estilo maneirista do renascimento holandês do século XVII, desenhado pelo arquiteto flamengo Hans van Steenwinckel.
Há vastos jardins nos seus arredores, além de um parque.

Eis um pouco de Copenhague no verão, cidade que eu ia descobrindo a cada estação.

Mairon Giovani
Cidadão do mundo e viajante independente. Gosta de cultura, risadas, e comida bem feita. Não acha que viajar sozinho seja tão assustador quanto costumam imaginar, e se joga com frequência em novos ambientes. Crê que um país deixa de ser um mero lugar no mapa a partir do momento em que você o conhece e vive experiências com as pessoas de lá.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *