Krems an der Donau 1 01
Austria

Krems an der Donau: Damascos e Danúbio na Áustria

Eu não sei o que os austríacos tinham na cabeça ao chamar estas cidades do que parece “leite” e “creme” ao Danúbio. Melk e Krems. Parece até piada pronta.

Já visitamos Melk, e agora — após um cruzeiro deslizando pelas águas do Danúbio num dia de sol — chegada era a hora de conhecer Krems an der Donau, a maior destas duas cidades históricas do Vale de Wachau.

Naturalmente, o Danúbio aqui nada tem a ver com laticínios. Os nomes são “mera coincidência”, como nas novelas. Os produtos típicos aqui são damascos (abricós) e vinho branco. Os damascos chegam ao ponto de proporcionar uma espécie de festival à época da colheita, com temas da fruta enfeitando a cidade. Acho boa valorização da agro-cultura local e do que é típico de vir à mesa aqui.

Mas é claro que nem só de abricós vive Krems, cidade mencionada nos documentos históricos desde o ano 995, quando estas eram terras muito mais selvagens no medievo, aqui a 70 Km de Viena.

Adentremos. É hora de desembarcar do cruzeiro feito (se você ainda não viu, confira) e ver o que Krems tem.

Escadaria e torre de igreja em Krems an der Donau
Krems an der Donau com suas estruturas seculares preservadas. Estamos 70 Km a noroeste de Viena.
Krems an der Donau 1 02
Krems vista do barco no rio Danúbio. Se você ainda não leu os detalhes do breve cruzeiro, eles estão todos no post anterior.

Krems an der Donau, quem és tu?

A maioria dos estrangeiros jamais ouviu falar de Krems an der Donau. É uma destas muitas cidades históricas da Áustria que nunca realmente caiu nas graças do turismo internacional. Os austríacos, é claro, a conhecem. Isso quer dizer que ela, em verdade, está bem mais conservada e tradicionalmente autêntica que lugares que caíram nas garras do turismo de massa, como Hallstatt.

Krems é uma daquelas cidades austríacas que sempre foi pequena. Não inchou nem cresceu. Tem hoje quase a mesma população de apenas algumas dezenas de milhares de habitantes que tinha séculos atrás.

Aqui à margem do Danúbio, ela era uma região de fronteira. Na era medieval, entre eslavos e germânicos, que combateram mortalmente por séculos — constantemente até o fim do primeiro milênio, e depois em guerras ocasionais. A eslava Tchéquia, afinal, está a meros 60 Km a norte daqui.

Você ainda encontra resquícios desse período medieval na cidade, como um dos portões que permaneceram mesmo após as muralhas terem sido removidas no século XIX (pois já eram algo obsoleto para as tecnologias da época).

Krems an der Donau 1 04
O chamado Steiner Tor, portão preservado do século XV. Foi reparado logo após os húngaros (que não são eslavos, mas são também vizinhos) devastarem a cidade em 1477. Ele ganharia este verniz barroco em 1756, durante o reinado de Maria Theresa.

A cidade vivia de devastações e reconstruções. Coitada de Krems, era sempre invadida. Foi invadida até pelos suecos, que chegaram até aqui na Guerra dos Trinta Anos entre católicos e protestantes — os suecos tendo abraçado o protestantismo basicamente como forma de tomar para si as terras da Igreja. Os austríacos, bastiões do catolicismo naquela Europa, depois libertariam Krems.

Eu não vou entrar aqui em todas as guerras nas quais Krems esteve envolvida, o que incluiria outra invasão, agora pelos franceses de Napoleão em 1805, etc. Basta observar que é uma cidade resiliente, que soube se refazer depois dos conflitos, e hoje vive muito do turismo. 

Embora tudo esteja bastante “barroqueado”, transformado neste visual conhecido de tons pasteis e casario característicos dos séculos XVIII e XIX de poderio austríaco aqui na Europa Central, a cidade tem ainda as ruelas de outrora e preserva um charme. 

Krems an der Donau 1 05
Charretes para passear pelo centro da cidade. Ali, o enfeite redondo em amarelo-damasco revela que estamos na época dos abricós, consumidos de todas as sortes pela cidade.

Chegando e adentrando Krems an der Donau

Donau, a quem ainda não percebeu, é como os germânicos chamam o rio Danúbio, este amigo perigoso deles por aqui.

Perigoso porque o rio Danúbio costumava encher e inundar muito da área fora das muralhas da cidade. A ponto de construírem uma segunda igreja mais no alto que lhes permitisse continuar celebrando missa mesmo se a cidade baixa estivesse toda inundada.

Isso hoje é raro, ainda que as chuvas torrenciais acentuadas pela mudança climática global — como aquelas vistas na Alemanha e na Bélgica em 2021 — estejam aí para reavivar tais memórias.

Eu visitei logo ambas, já que o barco em vez de me deixar perto do centro, me deixou lá na p… que o pariu fora das muralhas, a quase meia hora de caminhada até o Steiner Tor, que vos mostrei. (A ter em conta caso você esteja fazendo este percurso no sentido contrário ao que eu fiz e precise tomar o barco daqui até Melk.) 

Krems an der Donau 1 06
Krems an der Donau na sua área fora das antigas muralhas, aqui bem à margem do rio Danúbio — exposta às enchentes de outrora. Fizeram, portanto, uma igreja mais no alto para quando a parte baixa estivesse alagada.
Krems an der Donau 1 07
O acesso à antiga igreja Frauenberg mais no alto. Sua construção data de 1401.
Krems an der Donau 1 08
Seu interior. Frauenberg já não é mais propriamente uma igreja, passou desde os anos 1960 a ser um memorial dedicado às vítimas das guerras mundiais do século XX. Seu interior é simples, como você pode ver. As guirlandas ali na parede são típicas destas homenagens aos mortos nas guerras.
Krems an der Donau 1 09
A vista por entre o arco ogival gótico para o casario cá no alto da cidade.

Eu por aqui passei, por aqui caminhei, antes de finalmente rumar ao centro histórico da cidade. Uns moradores breves me olhavam, daqueles que ficam conversando ao lado do carro estacionado na frente de casa. Mas, embora eu fosse dos raros visitantes ali a caminhar, não pareceram estranhar muito a minha presença.

Desci, para poder caminhar até o portão medieval, e segui por um comprida rua deveras quieta nesta tarde de sábado. Os austríacos reservam muito o fim de semana, e exceto por certos espaços mais centrais, tudo fica quieto — para não dizer morto.

Krems an der Donau 1 10
As ruas da parte fora das muralhas de Krems num sábado à tarde.
Krems an der Donau 1 11
Quietude, carros estacionados, as pessoas dentro das casas. Ali adiante, uma torre antiga — depois de receber uma pintura em tom pastel típico do período barroco austríaco.
Krems an der Donau 1 12
…até que chegamos ao Steiner Tor, o portão medieval preservado em Krems.

Se você estiver a se perguntar por que o portão se chama Steiner Tor, não tem a ver com o nome de ninguém. É que essa área externa que mostrei, que hoje faz parte da cidade de Krems, antigamente era um povoado distinto chamado Stein. Portanto, o portão voltado para ele era o Steiner Tor (Tor significando portão em alemão.) 

Adentrando, lá começa a presença das lojas de produtos de abricó e de turistas — quase todos aparentemente austríacos, ou pelo menos vindos aqui do centro ou do norte da Europa, não de muito longe.

Krems an der Donau 1 13
O Steiner Tor visto por dentro.
Krems an der Donau 1 16
As ruas da cidade no seu jeito barroco e moderno, com os tons pasteis característicos.
Krems an der Donau 1 15
Um gasthof tradicional, a versão alemã do que são as pousadas no Brasil. No centro de Krems.
Krems an der Donau 1 14
A rua principal, hoje com um misto de atrativos tanto aos visitantes quanto aos moradores. Note as bandeirolas amareladas enfeitando a rua para esta época de colheita dos abricós.

Vamos aos damascos

Chegamos na época adequada. Fim do verão (os idos de agosto) é quando os abricós abundam por aqui. A saber, abricós e damascos são a mesma coisa; é um fruto muito dado a ter múltiplos nomes. Também em alemão, os alemães da maior parte da Alemanha o chamam de aprikose, enquanto os austríacos o conhecem por marille. Se vir aqui marillen-isso ou marillen-aquilo, saiba do que estão falando.

Não vou presumir que todos sabem do que estou falando, já que é uma fruta deveras rara na maior parte do Brasil, então ei-la aos que ainda não conhecem. 

Krems an der Donau 1 17
Os abricós ou damascos são parentes das ameixas frescas, e mais ou menos do mesmo tamanho. São hiper populares aqui na Áustria, como em toda a faixa que vai desde aqui até a Armênia, onde os abricós têm quase um status de fruta nacional. Romênia, Hungria e outros países deste leste europeu mais a sul também o têm em grande estima.
Krems an der Donau 1 18
É mais comum os damascos aparecerem no Brasil assim, na sua forma seca e custando o olho da cara.

Na postagem em Melk eu já mostrei um pouco dos licores dessa fruta que são hiper típicos aqui desta regiaõ do Vale de Wachau, a noroeste de Viena.

Como eu disse lá, nas lojas Wieser Wachau você acha vários licores de damasco de diversas potências e preparos. Não vá nos muito âmbar, translúcidos, pois são com pouca fruta e mais álcool com açúcar. Os mais opacos prometem mais polpa de fruta e, portanto, mais sabor.

Já aqui em Krems eu descobri o marillengespritz, uma espécie de refrigerante de abricó. Suco da fruta misturado a água com gás. Você os acha nos supermercados Spar aqui de Krems, se quiser uma opção barata para experimentar. Nos cafés da vida, você acha uma versão menos doce dele.

E eu me assentei, finalmente, para experimentar novamente — depois de muitos anos — os bolinhos de abricó que fazem tanto a cabeça dos austríacos (mais que a minha, mas eu não queria vir aqui à época e sair sem comer um). 

Krems an der Donau 1 19
Sentei-me para tomar um marillengespritz e comer um marillenknödel. Vê-se como a vida, aqui, é feita de abricós.

Parece Fanta na minha taça, mas não é. É um refresco de abricós com gás, um marillengespritz no linguajar austríaco. Era, porém, bem menos doce que o industrial que provei do supermercado. Este tinha bem menos açúcar e um breve amargor que me lembrava fruta fermentada.

Já os marillenknödel que eles aqui às vezes servem como almoço caem excelentemente como merenda da tarde. (Não espere uma iguaria rica em sabor; o knödel é bastante simples e básico no gosto, mas por apreço cultural não saia sem experimentar.)

Comi um no Café Berger, um dos mais tradicionais da cidade. Sentei-me à mesa que estava vazia na calçada, e não demorou a aparecer a senhora garçonete. Com aquele característico jeito germânico de contar com os dedos — que inclui o polegar e sempre me assalta com uma certa estranheza breve — a veloz senhora loura tomou o meu pedido. Perguntava-me quantos bolinhos eu afinal queria. 

Eins, zwei, drie… ?“, perguntava-me ela simpática fazendo as quantidades com os dedos, daquelas garçonetes elétricas que repetem em voz alta o que você pediu. 

Contar com os dedos na Alemanha
Destas peculiaridades que nos chamam a atenção. Os germânicos contam com o jeito à direita, sempre começando pelo polegar. No filme Bastardos Inglórios (2009), de Tarantino, uma das cenas mais lembradas é quando o espião estrangeiro disfarçado de nazista se revela, ao pedir três cervejas do jeito à esquerda, como um germânico nunca faria.

Um“, respondi eu à veloz senhora.

Bastava-me um desses bolinhos. Eu, afinal, os estava comendo mais por experiência cultural que por delírio gustativo. Os knödel são, basicamente, bolinhos de massa fervidos com uma fruta inteira dentro — em geral uma ameixa ou abricó, embora existam outras variedades. Por cima, daqueles quebradiços de forma de bolo e açúcar fino. 

Eles são deveras oleosos, e o açúcar é você quem põe — não tem doce na massa, nem necessariamente na fruta, que na verdade oferece um azedo para quebrar a oleosidade açucarada que vira o seu envoltório.

Krems an der Donau 1 20
Meu marillenknödel, bolinho austríaco de abricó no interior, um prato típico daqui. Os austríacos gostam de massa frita — bem oleosa — com açúcar por cima. O knödel vem quentinho, e azedinho da fruta faz você respirar um pouquinho de saúde na breve refeição. Há quem coma vários, mas eu fiquei só com um hoje.

Não fazem a minha cabeça, e eu tenho um certo trauma de quando fui servido deles como almoço na casa de uma avó de uma amiga minha aqui na Europa Central — com uma colherada de manteiga derretida que a senhora sua avó jogou por cima sem me esperar responder se eu queria ou não. 

Dez anos depois, a minha relação com os knödel continua fria tal qual aqueles relacionamentos que você sabe que não dão certo, não importa o quanto tente. 

Levantei-me do Café Berger, como quando você desliga o telefone se dizendo mentalmente “Eu não sei nem por que que eu tentei de novo“, e fui circular pelo que restava da alegria de Krems ainda naquela tarde. Como de hábito na Áustria, a fuzarca já sempre termina às 6 da tarde com o fechar de tudo, então é lugar pra passeio diurno. A soirée nas ruas é morta. 

Krems an der Donau 1 21
Pelas calçadas de Krems, com as pessoas a sentar e comer knödel naquela tarde. Um pequeno grupo de homens tocava ali música austríaca de raiz com o acordeon.
Krems an der Donau 1 22
O pitoresco centro de Krems an der Donau, ao que a tarde caía e as ruas aos poucos se esvaziavam.

A Catedral de São Vito e o casario barroco de Krems

Voltas pela cidade eu dei, visitando sua catedral barroca do século XVIII e vendo a beleza de suas ruas.

Krems é maior que Melk e tem um quê mais residencial.

Krems an der Donau 1 25
As vias que um dia foram medievais, recobertas por um certo ar barroco colorido.
Krems an der Donau 1 23
Prédios antigos e tortos de outros séculos no centro histórico de Krems.
Krems an der Donau 1 24
Arcadas ainda góticas.

Depois de tantas guerras recorrentes contra húngaros, eslavos, suecos, turcos e outros, foi somente a partir do século XVIII que a Áustria se assentou mais. Tornou-se uma das principais potências europeias — ainda que uma potência continental, e que portanto não obteve colônias além-mar exceto pela sua diáspora de emigrantes aqui e ali.

Com o apogeu sob o reinado de Maria Theresa (r. 1740-1780), fizeram-se as reconstruções e embelezamento que você segue encontrando Áustria afora hoje, como também nos países vizinhos (Tchéquia, Hungria, Eslováquia, Eslovênia, e até mesmo partes da Polônia) que vieram a ser dominados por estes Habsburgo da Áustria.

Aqui, uma dessas principais obras foi a Catedral de São Vito, o mesmo santo homenageado na Catedral de Praga (Tchéquia). Tratou-se de um mártir do sul da Itália da época do imperador Diocleciano e sua perseguição aos cristãos. Enquanto a catedral tcheca é eminentemente gótica, esta daqui é barroca. Um esplendor de outra maneira.

Krems an der Donau 1 26
A Catedral de São Vito (Sankt Veit em alemão) aqui em Krems an der Donau, a 70 Km de Viena.
Krems an der Donau 1 28
O interior barroco da catedral de Krems é charmosa pelo seu teto ilustrado e suas arcadas de mármore vermelho.
Krems an der Donau 1 27
O fundo da igreja, com seu órgão e a luz do sol.

Esta é a principal igreja aqui de todo o Vale de Wachau, ainda que haja muitas outras — e, claro, que a mais visitada seja, ao fim das contas, a capela da milenar Abadia de Melk que vos mostrei anteriormente.

Era hora de, gradualmente, eu começar a zarpar. Ainda vi uns cantos pitorescos no interior da cidade — que é pequeno e quieto — e, devagarinho, rumar ao trem de volta a Viena. Era o fim da minha estadia na Áustria.

Krems an der Donau 1 29
Estátuas curiosas de outros séculos no centro de Krems. Fonte na praça.

Mesmo aqui no coração do continente europeu, navegar é preciso. Eu revejo vocês em outras paragens.

Mairon Giovani
Cidadão do mundo e viajante independente. Gosta de cultura, risadas, e comida bem feita. Não acha que viajar sozinho seja tão assustador quanto costumam imaginar, e se joga com frequência em novos ambientes. Crê que um país deixa de ser um mero lugar no mapa a partir do momento em que você o conhece e vive experiências com as pessoas de lá.

One Reply to “Krems an der Donau: Damascos e Danúbio na Áustria

  1. Maravilha, meu jovem amigo viajante.
    Fechou com chave de ouro essa vossa estada na bela Áustria da famosa Maria Tereza que a deixou mais bela ainda.
    Uma gracinha essa cidadezinha. Amei as construções e seus estilos. Os tons também muito me agradaram. Doces, delicados e elegantes, assim como os estilos.
    Muito bonita essa igreja de San Vito. Famoso, ele. Esses interiores barrocos são magníficos. A decoração é esplendorosa . Belíssimo esse mármore vinho. Os toques e recortes dourados dão um ar de distinção , requinte e charme ao ambiente.
    Curiosa essa história , cultivo e quase culto ao Damasco. Que bom que valorizam o que tem. Gosto muito do fruto. Muito graciosa a cidadezinha.
    Continuo encantada pelo belíssimo Danúbio. Espetacular. Lindas suas verdes águas. Dá vontade de ficar ali contemplar a paisagem maravilhosa. Uma preciosidade.
    Amei conhecer a Áustria através dessas gostosas e belas postagens.
    Parabéns pela escolha das cidades, da região e do país. Em verdade é mesmo muito pouco conhecido do lado de cá da Latino=América.
    Amei. Valeu. Ficou o gostinho de quero mais hahah

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *