Rauma 1 01
Finlândia

Rauma, a cidade histórica de madeira na Finlândia

Lá estou eu tomando chuva outra vez, mas pelo menos foi num Patrimônio Mundial da Humanidade tombado pela UNESCO. Eles são poucos aqui na Finlândia, e Rauma é um deles — o maior centro histórico de madeira de toda a Europa Nórdica

Não vale confundir com o lugar homônimo na Noruega, sobre o qual já lhes falei. Esta Rauma finlandesa fica 90 Km ao norte de Turku, no leste do país. Em ambos os casos, se supõe que os nomes derivem de strauma (da mesma etimologia de stream em inglês), do alemão usado pela Liga Hanseática que navegava estas partes e dominava os negócios marítimos nesta região da Europa durante a Idade Média. (Lufthansa, ou “Hansa do ar”, faz referência àquela liga naval.)

Rauma prosperou com o comércio marítimo ao longo dos séculos, chegou a tomar bomba dos franceses e ingleses (já explico), mas segue tendo mais de 600 casas tradicionais de madeira no centro histórico. É como caminhar por um presépio ou cidade do Velho Oeste ou lugar cenográfico — a depender do seu espírito.

Seja ele qual for, as casinhas coloridas estão por toda parte. Juntam-se a elas a igreja e a prefeitura que são de pedra, esta última abrigando hoje muito do rendado que caracteriza a cidade. Sim, eles por alguma razão aqui são famosos por sua renda em tecido, e fazem até uma Semana da Renda anualmente todo fim de julho. Cheguem mais.

Rauma 1 02
As moradas aqui são modernas e habitadas, mas todas são de madeira.
Rauma 1 03
Exceto a igreja, que é de rocha.

Voltas por Rauma

Um desavisado no tempo não saberia dizer se o verão já foi ou já veio. Folhosas árvores naquele tempo molhado e 10 graus de temperatura; pássaros a cantar no quieto depois da chuva. A cidade parecia a paz eterna num recanto fora das partes do planeta habitadas pelo homem, como se eu houvesse me afastado da civilização.

O ônibus da Onnibus me deixou ali perto da igreja numa parada de beira de rua que é como um ponto de ônibus comum, ainda que ele venha de outra cidade. Nada como desembarcar assim ao léu, na chuva.

O chuvisco não era tão forte, e havia aquele romantismo meio arcadiano da impressão de estar no vazio social por entre as árvores, mas mesmo assim busquei me abrigar. A igreja é a primeira obra que você encontra aqui, e uma que me ofereceu teto.

Rauma 1 04
Inverno? Outono? Verão? Era difícil dizer. Primavera.
Rauma 1 05
O interior tipicamente barroco nórdico desta igreja.

A Igreja da Santa Cruz data de 1512, portanto antes do período barroco, mas ela foi sendo incrementada com o tempo.

Seus fundadores são os franciscanos, que cá vieram pregar e viver em retiro já desde os idos da fundação de Rauma em 1442. Eles chegariam quase até o círculo polar ártico nestas expedições, tal qual o fariam cem anos depois pelos interiores desconhecidos do México.

(Eu sei que a Igreja por lá fez muito do que não deveria, mas os franciscanos foram os principais a denunciar os crimes contra os índios, enquanto que os não-religiosos interessados puramente no dinheiro eram os principais a perpetrá-los. Leia mais sobre aquele contexto na minha visita a Querétaro, México.)

Rauma 1 12
Um tríptico medieval em madeira, estima-se que feito na Prússia na década de 1440, e trazido para cá.

A igreja era originalmente católica, e estas terras faziam parte do Reino da Suécia, como já lhes falei em Helsinki, Porvoo, e Turku. Quando o rei sueco Gustavo Vasa se converte ao protestantismo para melhorar as contas do reino, confiscando todas as propriedades da Igreja, o mosteiro franciscano que aqui havia acaba sendo fechado.

A partir de 1640, esta Igreja da Santa Cruz seria reaberta, desta vez como uma igreja luterana, que segue misturando elementos. O luteranismo destas igrejas nórdicas lembra muito o catolicismo no aspecto estético, pois bebeu das mesmas influências artísticas.

Rauma 1 06
Estes interiores.
Rauma 1 11
Note o teto medieval decorado, e o vitral por detrás do altar-mor.
Rauma 1 10
Em detalhes, a transfiguração de Jesus no Monte Tabor, vitral feito em Berlim e doado a esta igreja em 1891.
Rauma 1 08
Os ricos detalhes neste teto gótico datam da fundação desta igreja em 1512.
Rauma 1 07
O órgão barroco ao fundo — item quase que indispensável nas igrejas luteranas. Restaurado, o original data de 1784.
Rauma 1 09
As figuras de mártires e apóstolos. Obra de Jonas Bergman em 1757.
Rauma 1 14
A Igreja da Santa Cruz vista por fora.

Quando saí, o chuvisco havia cedido o bastante para eu rumar ao centro da cidade.

Rauma 1 13b
O centro histórico da cidade lá adiante.

Rauma hoje tem ruas pavimentadas, quase toda ela um pavimento antigo que lembra aquele das cidades históricas brasileiras. Mas nem sempre foi assim. O tradicional aqui eram ruas de chão por onde passavam animais e gente. 

Rauma 1 17
Fora do miolo do centro, as ruas de Rauma seguem sendo de chão (ainda que as pessoas hoje tenham carro). Note como estas casas têm alicerces de rocha, até para não apodrecer a base e cair.
Rauma 1 15
Não parece cidade cenográfica? (E um tanto fantasma, convenhamos.)
Rauma 1 16
Praticamente não há calçadas, como antigamente.

Estas casas originalmente são quase todas elas dos séculos XVIII e XIX. Como Turku, Rauma também padeceu de incêndios e teve tudo queimado mais de uma vez. O último desses grandes incêndios foi em 1682. 

Porém, como em 1809 toda a Finlândia sai do Reino da Suécia para ir integrar o Império Russo, Rauma seria atacada por franceses e britânicos no contexto da Guerra da Crimeia em 1853. (Na ocasião, ambos se juntaram aos turcos contra os russos — e não havia distinção que esta parte do império fosse habitada por finlandeses.)

A cidade segue aqui, todavia. Entre algumas poucas ruas retas que se cruzam, o casario colorido em tons diversos, hoje molhados pela chuva. Contrastavam ainda assim com o cinzento do céu. 

Rauma 1 18
O colorido das casas contra o cinza do céu.
Rauma 1 19
O casario em Rauma.
Rauma 1 20
Quase que não havia viv’alma na rua.

Eu não demorei a alcançar a praça principal (a Praça do Mercado), onde as mesas postas ao lado de fora estavam fechadas, sem ninguém. Alguns poucos se viam nos interiores, a cidade plenamente quieta. Se isso totalmente se explicava apenas por ser sábado, eu não sei. Não havia embalos neste sábado de Rauma, exceto o som da chuva.

Almas, entretanto, havia umas poucas. Como era a hora do almoço, detive-me na pizzaria Jubi (que recomendo), onde um baixinho finlandês camarada tratava com outros clientes no seu idioma quando eu cheguei. 

Eu acho engraçado que a língua finlandesa faz parecer que a pessoa tem alguma dificuldade respiratória — o que obviamente não é o caso, já que basta mudar para o inglês e a pessoa (na maior parte das vezes) vem ao “normal”.

Rauma 1 21
A pizzaria também é de madeira.

O cheiro de endro subia ao que a minha pizza assava. Como os seus vizinhos russos, eles põem endro aqui em praticamente tudo — sobretudo se for sopa ou se for com peixe.

Rauma 1 22
Uma delícia. Estão servidos?
Rauma 1 24
A antiga prefeitura (de pedra) de Rauma na praça principal.

Hoje, esta prefeitura é um museu da cidade, onde você pode conhecer mais da sua principal paixão: o rendado.

Ali dentro, uma jovem finlandesa simpática de maçã saliente no rosto me contou sobre a Pitsivikko — a Semana do Rendado, ou Lace Week caso você precise se comunicar aqui em inglês. É quando a cidade ganha mais vida no fim de julho. Um boa época para se programar e vir. (O site oficial com as datas do evento que ocorre todos os anos desde 1971.)

Este interior da antiga prefeitura acaba assim por ser mais sobre o rendado desta cidade que qualquer outra coisa.

Rauma 1 25
O interior da antiga prefeitura da cidade, hoje o Museu de Rauma, dedicado sobretudo a mostrar a arte da cidade com as rendas.
Rendado de Rauma
As rendas à mão aqui em Rauma.

Quem está a se perguntar o porquê disso, se trata de uma moda que cresceu aqui nos idos do século XVIII de as mulheres ricas usarem chapeuzinhos rendados. Formou uma grande demanda pelos mais elaborados, e assim floresceu esta arte.

Com a industrialização na segunda metade do século XIX e o fim da moda, a técnica quase desapareceu. Contudo, sendo inteligentes, mobilizando-se, e investindo na manutenção da sua cultura, eles em meados do século XX conseguiram organizar os saberes que ainda existiam. Hoje, faz parte da característica cultural e da economia tradicional de Rauma.

Vamos um café com bolo.

Lace tablecloth 770x357 1
Rendados de Rauma. Como as mulheres deixaram de usar rendas na cabeça, a atenção passou à confecção de arranjos de mesa e de decoração.
Rauman na Semana do rendado
Diz a lenda que durante a Semana do Rendado a cidade fica movimentada assim. O site oficial do evento anual dos fins de julho é este, com as datas exatas de cada ano. Há exibições das obras, música ao vivo na rua, etc.
Casario histórico em Rauma, Finlândia
Hoje estava assim, mas não há nada que um café não resolva. (A saber, os finlandeses são o povo com o maior consumo de café per capita — medido em pó, não em água —, logo seguido pelos demais Países Nórdicos. Deve ser por isso.)

O interior estava cheio. Quase não achei mesa. As pessoas estavam mesmo refugiadas.

Duas finlandesas louras me atenderam, falando-me das guloseimas que ali havia. 

Rauma 1 26
A cafeteria também é de madeira, por supuesto. Chama-se Wanhan Rauman, e eu recomendo. 
Rauma 1 27
Toalha de renda — que não sei se era daqui — e o meu bolo de cenoura com cobertura. Guloseima muito encontrada aqui pela Europa. (A saber, as docerias do centro-norte da Europa são todas relativamente parecidas no que oferecem.)

Rauma se revelou um passeinho curto, despretensioso. Vê-se um casario de época e se senta para tomar algo. 

Os ônibus de e para Turku saem a cada duas horas (1h20 de viagem), então já era hora de eu partir. Dá para fazer bate-e-volta tranquilamente. Rauma é bastante pequena, basicamente um centrinho histórico pitoresco onde passear — de preferência entre junho e setembro, com dias mais luminosos e temperaturas maiores. Quem sabe você vê a Semana do Rendado ou, pelo menos, dá mais sorte com a meteorologia. 

Há atualizações cotidianas no site oficial de promoção da cidade, https://www.visitrauma.fi/en

Eu tinha de seguir para casa por ora. Um ferry até Estocolmo, e outras paragens mais além.

Ruas e calçadas de Rauma, Finlândia
Hasta la vista, Rauma.
Rauma 1 28
O porto moderno em Turku, de onde saem ferries para Estocolmo, Tallinn e alhures.
Rauma 1 30
O singrar do lençol dos mares. O Mar Báltico e suas muitíssimas ilhotas entre Finlândia e Suécia.
Rauma 1 29
Nada mau. Eu vejo vocês em outras terras.
Mairon Giovani
Cidadão do mundo e viajante independente. Gosta de cultura, risadas, e comida bem feita. Não acha que viajar sozinho seja tão assustador quanto costumam imaginar, e se joga com frequência em novos ambientes. Crê que um país deixa de ser um mero lugar no mapa a partir do momento em que você o conhece e vive experiências com as pessoas de lá.

One Reply to “Rauma, a cidade histórica de madeira na Finlândia

  1. Ihhhh…Que cidadezinha fofa!… Parece de brinquedo infantil. Daquele com pedacinhos de madeira colorida que formava casinhas lindas e cidades.
    Lindinha a cidade com suas casinhas de madeira coloridas, com seu belo museu e sua formosa Igreja de pedras coloridas. Uma graça. Interior charmoso e elegante.
    Meu jovem, que ricas rendas. Uau. Adorei. Adoro peças rendadas, sobretudo feitas à mão. Belíssimas!… E associadas ao que parece ser linho, então mais elegantes e finas devem ser. Um achado.
    E essas madeirinhas? São bilros? Ora ora. Se assim for se parecem com aqueles usados aqui no NE do Brasil para fazer o que se chama, aqui de renda de Bilros. Belas.
    Curiosa e singular a cidade de casinhas de madeira.
    Belo passeio. Adorei.
    A Finlândia é uma grata surpresa. Belos recantos. E o Báltico sempre majestoso com suas águas claras, azuladas e mansas. Amo esses mares. São belíssimos.
    Obrigada, jovem viajante pelo belo passeio. Valeu.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.