Telc 1 01
Morávia Tchéquia

Telč, cidade Patrimônio Mundial da Humanidade no interior da República Tcheca

A Tchéquia — ou República Tcheca, como os nativos também chamam a gosto — é daqueles países que conservam mais segredos do que supõe a nossa vã filosofia.

Telč [lê-se Téltch, esse č tendo som de tch] é um deles. Pense numa cidadezinha renascentista que pouco mudou desde o século XVI. Um lugarejo de 5 mil habitantes, com um castelo medieval e plano urbanístico original dos idos de 1550.

Foi o lugar que resolvi visitar logo após este último Natal, numa viagem curta de ônibus desde České Budějovice, outra cidade bela e da qual lhes falarei em breve.

Telč se revelou um pitoresco encanto e me disse o porquê de ter sido tombada pela UNESCO na Tchéquia como um Patrimônio Mundial da Humanidade.  

Telc 1 02
Viajando no tempo para a Renascença, meus senhores.
Telc 1 03
…no que foi um plácido fim de dezembro aqui na Tchéquia.

Telč: Surge uma cidade renascentista

Nesta tônica de viagem no tempo, viajemos de volta aos meados do século XIV. Idade Média. Esta região do que hoje é o miolo da República Tcheca era densa de florestas, aquelas florestas que tanto inspiraram os contos populares centro-europeus — aqueles compilados pelos Irmãos Grimm e que terminaram virando produções da Disney no século XX. Sempre há uma floresta escura ali no meio, seja para o lobo de Chapeuzinho Vermelho ou para o lenhador da Branca de Neve.

Na vida real, o século XIV traz um fenômeno novo aqui: povoamentos planejados estrategicamente para assegurar território. (Foi uma espécie de grilagem de terras avant la lettre.) A floresta começou paulatinamente a dar lugar aos campos, o desmatamento sendo desde muito uma lamentável consequência de certas ações humanas.

Telč surge assim, produto do seu tempo. Estávamos e estamos na região da Morávia — onde viveu Mendel com seus experimentos de ervilhas no século XIX — e bem na fronteira com a Boêmia, onde Praga fica. Hoje, as duas regiões formam a Tchéquia, mas naquele tempo as relações eram menos amistosas. Os moravianos destas bandas queriam para si o controle dos recursos do lugar.

A obra, sejam quais tenham sido suas motivações, foi bela. Há notícias de um castelo medieval aqui desde 1335, o qual duzentos anos depois passaria por uma reforma renascentista (para chegar ao que você encontra hoje). As casas de madeira numa extensa praça central triangular também adaptariam-se aos tempos do Renascimento com cores e fachadas enfeitadas.

Telc 1 04
Fundações antigas.
Telc 1 06
Um dos portões da cidade sob o que eram muralhas.
Telc 1 05
E lagoas em volta da cidade. Sintam no ar aquela atmosfera.
Telc no mapa da czechia
É ali que estamos.

Chegando a Telč

A quem supuser que estamos “no meio do nada”, é um pouco isso mesmo, só que no seio da Europa. 

Para dizer a verdade, eu nunca nem havia ouvido falar em Telč, ainda que eu venha à República Tcheca com certa frequência desde 2008. Chegar até aqui não é muito prático, mas tampouco é tarefa hercúlea.

É melhor tomar ônibus que trem. De Brno ou České Budějovice, são 2h de viagem, o que permite que você faça um bom bate-e-volta. (Desde Praga, você precisaria trocar em outros lugares, e a viagem fica longa demais para vir e voltar no mesmo dia. Você pode dormir em Telč, mas não sei se é necessário tanto. Melhor combiná-la com visita a outras cidades do país.)

Eu vim de České Budějovice com a United Buses, empresa local. O Google Mapas lhe informa os horários de partida, e no site oficial da empresa (com a ajuda da tradução no navegador a menos que saiba tcheco) você compra facilmente as passagens com o cartão de crédito. Mais barato que viajar no Brasil.

Naquele 26 de dezembro, que é feriado aqui na República Tcheca como em muito da Europa, quase não havia viv’alma na rua. Os campos à beira da estrada de mão dupla estavam deveras vazios no que foi um dia semi-nublado, e assim também estava o ônibus, só com uns gatos pingados e um velho motorista ranzinza que ficava pistola quando as pessoas se levantavam e ficavam ali já perto dele antes de o ônibus parar.

Telc 1 08
Fim de manhã em Telč, República Tcheca, em 26 de dezembro.
Telc 1 07
Porque eu adoro estes programas. Alguns estão já na praia em dezembro, outros ainda fazendo a digestão da ceia de Natal em casa, e eu estou vagando pelo interior da Tchéquia.

Por dentro de uma obra renascentista

Quem pensa em Renascimento geralmente traz à mente pinturas, esculturas, não cidades inteiras. Entretanto, aqueles idos de 1450-1600 não foram somente um período em que artistas resolveram pintar ou esculpir diferente, foi uma época em que toda a concepção europeia do que é próprio e bom mudou. O comércio direto com o Oriente e a descoberta das Américas havia se juntado ao resgate da Antiguidade clássica para revolucionar o pensamento europeu.

Assim, surgiu também uma nova forma de imaginar as cidades. Surgiu a ideia de “cidade perfeita” renascentista, com ordem e planejamento — não mais as cidades pútridas e desordenadas do medievo. Ano passado eu lhes falei de cidades renascentistas feitas assim na Polônia, como a bela Zamosc, e Telč é um exemplo da mesma época (século XIV) na Tchéquia.

A ideia era que houvesse uma ampla praça onde as moradas seguiam um certo padrão e eram ligadas por um eixo de arcadas que faziam uma espécie de calçada coberta — coisa típica que você vê em cidades italianas como Bolonha também.

Curiosamente, aqui em Telč não se concebeu um quadrado nem retângulo, mas um triângulo para o formato da praça.

Telc 1 09
A praça principal de Telč é em formato de triângulo, com o castelo cá nesta ponta onde estamos.
Telc 1 10
As coloridas casas renascentistas, todas preservadas do século XVI, dão a volta em toda a praça — cada qual com a sua singularidade.
Telc 1 11
Eu sei, parece cidade de brinquedo. É que muitos brinquedos foram inspirados nestas urbes de época.
Telc 1 12
Note as arcadas circulares padrão formando uma espécie de calçada coberta sob as edificações.
Telc 1 13
Assim.

Hoje, há quase sempre lojas ou restaurantes nestes térreos, e eu não acredito que ninguém mais viva aí.

As pessoas em Telč me deram sinais de viver nos arredores deste centro histórico, fora de onde eram as muralhas e suas lagoas.

No que foi princípio dócil de inverno com seus 5-10 graus em vez das versões negativas destes números, eu caminhei tranquilo os 20 minutos que separam a estação rodoviária-ferroviária deste centro histórico, entre as primeiras moradoras que apareciam a passear com seus cães.

No que me aproximava da praça, dei graças por avistar um café aberto — sinal de que haveria almoço, e eu não precisaria recorrer aos lanches trazidos por segurança na mochila. (Eu sou do tipo que prefere comer sentado num lugar legal do que fazer piquenique com coisa trazida de casa, o que ressoa bem no Brasil mas me põe na contracorrente com as pessoas da minha idade aqui na Europa.)

Telc 1 14
Nem todos os caminhos levam ao castelo de Telč, mas é para lá que nós iremos. Vamos atravessar esta ponte.

Embora as muralhas não existam mais (afora o castelo), Telč segue circundada por canais e lagoas — e você percebe onde é que as muralhas ficavam. 

Ela chegou a ser invadida numa guerra civil da Reforma Protestante no século XV quando surgiu o movimento Hussita aqui nestas terras. Foi precisamente com a destruição que a cidade sofreu nesses idos que ela veio a ser redesenhada e melhorada em padrões renascentistas no século XVI.

Daí também existir também um colégio jesuíta aqui criado com a Contrarreforma da Igreja Católica e hoje absorvido como campus estendido de uma das universidades tchecas.

Telc 1 15
No que era zona limítrofe da Telč da Renascença.
Telc 1 16
Esta é a torre da gótica Igreja do Espírito Santo, erigida aqui no bojo da Contrarreforma.
Telc 1 17
Colégio Jesuíta do Nome de Jesus, de 1667, hoje absorvido como parte de uma universidade tcheca (a Masaryk University, segunda maior do país).

O Castelo de Telč

Passear pela praça renascentista de Telč foi um tanto como visitar um museu a céu aberto. Você fica ali passeando de frente às casinhas coloridas como se elas não fossem de verdade. Mais tarde, no século XVIII, puseram aqui uma coluna mariana para celebrar a superação de uma peste epidêmica — mas, no mais, a área está conservada como concebida no século XVI e, como nota a UNESCO, preserva a sua autenticidade após “escapar à mania de excesso de restauração do século XIX“.

Já o castelo, mais adiante, me traria um ar bem mais medieval, ainda que a Renascença tenha mesmo lhe mudado a aparência para algo menos rústico e mais elegante.

Telc 1 18
As casinhas renascentistas da praça principal de Telč lhe dão vontade de permanecer ali um tempo, só olhando uma por uma para escolher sua preferida.
Telc 1 19
Monumento mariano — à Nossa Senhora — erigido nos tempos do século XVIII por muito do que eram áreas então de forte influência austríaca no Sacro-Império Romano Germânico.
Telc 1 24
Nos meandros do centro da cidade.
Telc 1 20
O Castelo de Telč. Veem-se a parte renascentista (de 1550) e as bases medievais anteriores.
Telc 1 21
Os detalhes da fortificação.

Com a pandemia, aproveitaram para restaurar o interior deste castelo, então ele não estava aberto à visitação hoje. (Via de regra, de qualquer forma, muitos castelos na Tchéquia só abrem de abril a outubro. Bom ter isso em mente.)

Fiquei então eu ali passeando pelos arredores, um chão meio enlameado pelas recentes chuvas de outono, e vendo a beleza da quietude as águas quase congeladas nas lagoas do entorno.

Telc 1 22
Lagoas ao redor do centro histórico de Telč com uma fina camada de gelo na superfície.

Pausei para almoçar no Amigo, restaurante recomendado na cidade com coisas de inspiração mexicana e único lugar da vida onde encontrei pedaços de laranja cortada postos para cheirar no mictório. Dali, reencontrei-me com algumas das minhas casas favoritas ao que outros turistas dorminhocos começavam a aparecer. 

O sol também aos poucos aparecia, tornando a cidade mais encantadora.

Telc 1 23
Telč mais encantadora sob o sol.

Vi belas fotos da cidade florida e animada no verão. Quem sabe um dia eu volte.

Por ora, eu não me demoraria. A oferta de ônibus de retorno não me era tão grande assim. Era preciso eu voltar a České Budějovice, a cidade de nascimento da Budweiser, a qual eu lhes mostrarei a seguir.

Deixo-lhes com provavelmente a minha casa favorita em Telč.

Telc 1 25
Telč, cidade renascentista tombada Patrimônio Mundial da Humanidade na República Tcheca.
Mairon Giovani
Cidadão do mundo e viajante independente. Gosta de cultura, risadas, e comida bem feita. Não acha que viajar sozinho seja tão assustador quanto costumam imaginar, e se joga com frequência em novos ambientes. Crê que um país deixa de ser um mero lugar no mapa a partir do momento em que você o conhece e vive experiências com as pessoas de lá.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *