Cesky Krumlov 2 01
Tchéquia

Český Krumlov no Natal e no inverno: Das mais encantadoras cidades da República Tcheca

Pense numa cidadezinha de contos de fada — daquelas com castelo, pontes, rios que correm, casinhas bonitas, ruas de pedra —, e sem nem saber você terá pensado em Český Krumlov. É que os contos se baseavam naquilo que os seus autores conheciam, e muitos deles eram desta parte da Europa.

Český Krumlov [lê-se TCHÉ-ski Krum-LOV] é tombada pela UNESCO como Patrimônio Mundial da Humanidade, e não é sem razão. A cidade medieval do século XIII, com todos os desenvolvimentos renascentistas e barrocos que vieram depois, é um mimo.

Estamos no extremo sul da República Tcheca (ou Tchéquia), na histórica região da Boêmia, em plena Europa Central. Aqui, as influências germânicas (sobretudo da Baviera e da Áustria) se misturam às eslavas dos tchecos. Curiosamente, é alemão o nome original daqui: Krumlov vem de Krumme Aue, algo como “prado torto” no alemão medieval.

Não é que os prados, campinas e matas históricas daqui sejam realmente tortas, mas foi uma forma de se referir às curvas que o rio Vltava (o mesmo que depois corta Praga) faz.

Não enterraram meu coração na curva deste rio, mas é difícil passar por aqui sem ele ser tocado pelo menos um pouco pelo aspecto de época de Český Krumlov.

Cesky Krumlov 2 03
Bem-vindos a esta mágica paragem tcheca.
Cesky Krumlov 2 02
As pessoas passeando pela ponte, e a torre do castelo ali em vista.
Cesky Krumlov no mapa da Europa
É aqui que estamos, no sul da Tchéquia.
Mapa Cesky Krumlov
Olhem o cenário pitoresco e de época onde se dá a dança do rio torto — palco onde os dançarinos, na verdade, somos nós.
Cesky Krumlov 2 04
Venhamos. Façam como este senhor, e aprocheguem-se.

Sobre o lugar: Český Krumlov em miúdos

Český Krumlov é uma vila antiquíssima. Ela surge já nos primórdios da presença humana na Europa, há dezenas de milhares de anos, conveniência de um lugar cercado pelo rio que dava ao mesmo tempo alimento, transporte e proteção. Os próprios celtas viveram aqui na Antiguidade, e é no século VI que os eslavos aparecem (vindos do leste).

A cidade que você encontra hoje é fruto do século XIII em diante, quando Český Krumlov é citada pela primeira vez em documentos europeus. Faz-se o primeiro castelo da cidade na década de 1240, ele que será depois ampliado até chegar à “masmorra” renascentista que você encontra hoje.

Os senhores daqui a partir do século XIV foram os Rosenberg, família de que já lhes falei em Třeboň. Eles governavam muito do sul da Boêmia, e com eles Český Krumlov prosperou, tornando-se um importante centro de comércio e manufaturas do fim da Idade Média.

Esse período de glórias duraria até o século XVI. Muito do que se vê na cidade — assim como o seu jeitão geral — data dessa época. Sobre o que ocorreu depois, eu falo a seguir. Vamos primeiro dar umas voltas.

Vista de uma entrada de Český Krumlov com ponte de pedra e arcadas
Bem-vindos a Český Krumlov, cidade do fim da Idade Média e da Renascença.
Cesky Krumlov 2 05
As ruas são de pedra. As casas, muitas vezes de rocha sólida colorida por fora.
Cesky Krumlov 2 06
Havia sido o Natal, e a cidade seguia decorada neste princípio de inverno do hemisfério norte.
Cesky Krumlov 2 07
Os meandros estreitos e íngremes da cidade. Minha acomodação ficava no fim desta ladeira. (Tive pena dos turistas com malas de rodinhas.)
Cesky Krumlov 2 09
A singeleza dos recantos encanta, sobretudo nesta época natalina.

Chegando a Český Krumlov após o Natal

Chegar a Český Krumlov não é difícil: há muitas opções baratas com o FlixBus saindo da Áustria, da Alemanha, ou do norte da República Tcheca, assim como trens vindo de Praga, fazendo conexão em České Budějovice. Não se deixe intimidar pelos nomes: são tutti, tutti buona gente.

Só atente que os ônibus o deixam mais perto do centro histórico que os trens, e que há duas paradas de ônibus: uma chamada spicak a norte do centro e o (pequeno) terminal rodoviário propriamente dito. (Veja onde ficará sua acomodação, e desça no lugar mais próximo. A maior parte dos ônibus para em ambos, mas vi muita gente atrapalhada descendo logo na primeira parada por automatismo.)

Quem me acompanha há mais tempo talvez se recorde de que eu já vim aqui — num verão longínquo, mais de 10 anos atrás.

Era chegada agora a hora de retornar e, de quebra, ver Český Krumlov noutra estação.

Cesky Krumlov 1 07
Antes…
Cesky Krumlov 2 10
Depois.

Qualquer comparativo que dê vantagem ao meu eu jovem, é só porque eu fico melhor de branco que de preto. (Olhando assim, acho até que não mudei tanto, embora eu me lembre de quem eu era.)

Já a cidade, ela em si mudou pouquíssimo — apenas há mais turistas hoje do que antes. Sobretudo asiáticos, que parecem ter descoberto Český Krumlov.

Quando vir?

A grande diferença fica mesmo pela estação. Visitar a cidade no verão ou no inverno implica experiências diferentes. 

Se você vem pelo pitoresco, pelo aconchego ou pelo espírito natalino nesta coisa de filme, eu lhe recomendo dezembro. Se você der sorte, pega até a cidade com neve.

Já se o seu espírito é de aventura, de se sentir um sujeito medieval andando pela masmorra — ou simplesmente se você prefere calor ao frio —, aí a recomendação é vir no verão. Afora o óbvio, é que os interiores do Castelo de Český Krumlov só estão abertos entre 1º de abril e 31 de outubro.

Eu já mostrei Český Krumlov no verão com o interior do castelo. Agora, é hora de vê-la e senti-la no natalino inverno.

Cesky Krumlov 2 11
É — ou foi — Natal. Todo ano tem, fazendo desta uma das melhores épocas para visitar Český Krumlov.
Cesky Krumlov 2 12
À noite. Vejam como a cidade fica jeitosa.
Cesky Krumlov 2 37
Český Krumlov no Natal.

Voltas pelo centro histórico

Um Natal característico

Chegamos de ônibus de České Budějovice, e logo desceríamos aquela ladeira para ser abrigados por Marcel, um chapa tcheco louro, daqueles homens que andam na cozinha e com os óculos de sol presos atrás da nuca. Era do tipo “nada é problema, tudo aqui a gente resolve”.

Ali estávamos numa das muitas pensões ou pousadas familiares que há aqui. Český Krumlov é pequena, fora ainda dos circuitos mega-turísticos, portanto você não verá aqui nenhuma daquelas grandes redes de hotéis. Melhor mesmo ficar nas pousadas dos tchecos, numa experiência mais autêntica no interior do país e diferente de Praga.

Era inverno (apesar dos óculos de sol de Marcel), e não do tipo com céu azul e neve. Český Krumlov deve ficar linda toda nevada, mas o que tínhamos aqui era um azul discreto que vez aparecia no céu, vez não, em meio a nuvens e a um ar ainda lúgubre de final de outono — as folhas sendo levadas pelo vento, árvores desfolhadas balançando, dias ainda escuros. É por isso que se celebra o Natal nesta época, afinal de contas.

As feirinhas natalinas, contudo, dão vida ao ambiente e um caráter ainda mais tcheco à sua visita, já que lhe permitem conhecer de perto também a gastronomia local e suas tradições.

Cesky Krumlov 2 28
As feirinhas de Natal são do que há de melhor na Europa Central, tornando-a ideal para as viagens de dezembro.
Cesky Krumlov 2 27
As barracas abundam com quitutes doces e pão de mel. É a época em que os europeus de antigamente se permitiam comer coisas caras, como biscoitos de especiarias (cravo, canela, etc.)

cukrovi rep tcheca
Aqui na República Tcheca, estes múltiplos biscoitinhos recebem o nome de cukroví [tsu-kro-vi]. Sempre vai da mão de quem faz, mas tende a ser cada um melhor que o outro.
A Tchéquia e o restante da Europa Central também têm seu lado mais rústico, por assim dizer.

Cesky Krumlov 2 15
As coisas que eles vendem aqui e que se come na rua incluem muitas salsichas cortadas no prato, servidas com chucrute (ou outras formas de saladas azedas em conserva, tipo picles) e mostarda, como ocorre também na Alemanha.
Cesky Krumlov 2 16
Eu fiquei com a fritada de batata, um bramborák.
Cesky Krumlov 2 14
Até o milho assado vem com aquela dose de manteiga derretida por cima, já que eles aqui na Europa Central tradicionalmente não resistem a uma gordura animal. Peguei um, que estava uma delícia.

Você vê que se pode passar só com comida de rua aqui (a depender do seu gosto).

Caso não seja essa a sua praia, não se preocupe. Há uma boa seleção boa de restaurantes italianos na cidade.

Cesky Krumlov 2 18
O casario de Český Krumlov por si só já encanta. Aqui você vê também uma das colunas erigidas no século XVIII quando a cidade superou uma epidemia.
Cesky Krumlov 2 21
As vias encantadoras por onde se caminha.
Cesky Krumlov 2 19
Portinhas e janelas.
Cesky Krumlov 2 22
Enfeites aqui e ali, o sol de inverno a raiar no horizonte.
Cesky Krumlov 2 24
As singelas vias de Český Krumlov no Natal.

As caminhadas por Český Krumlov neste período são passeios vagarosos, verdadeiros promenades por ruelinhas enfeitadas para o Natal e gente a passar agasalhada.

Você se distrai com as casinhas, as vitrines curiosas, entrando aqui ou ali… até avistar os monumentos e decidir vê-los mais de perto.

Cesky Krumlov 2 26
Não faltavam chineses e outros asiáticos em Český Krumlov. Acho que andam fazendo forte divulgação da cidade por lá.
Cesky Krumlov 2 20
Começamos a vislumbrar os monumentos medievais e renascentistas que enfeitam a cidade.
Cesky Krumlov 2 23
Portais e portões antigos da cidade seguem em pé.
Cesky Krumlov 2 39
Um dos portões na saída do centro histórico.
Cesky Krumlov 2 25
Vejamos finalmente o castelo.

O Castelo de Český Krumlov

O castelo de Český Krumlov é o ponto mais alto da cidade — em todos os sentidos do termo. De lá a cidade era governada, na sua maior elevação, e ainda hoje ele é visita obrigatória a quem vem aqui. 

Vale observar que, no inverno, não é possível visitar seus interiores (coisa que fiz e mostrei na minha visita anterior durante o verão), e que mesmo o acesso ao alto da torre e aos museus do castelo cessa entre 22/12 e 03/01. (Você pode sempre conferir estas informações pelo site oficial quando vier.)

Ainda assim, mesmo neste tempo natalino, é possível cruzar o fosso dos ursos e adentrar os pátios do castelo, chegando até o parque do outro lado, e com vistas impressionantes de Český Krumlov. Vale a pena.

Cesky Krumlov 2 29
O acesso ao Castelo de Český Krumlov é por aqui. (A entrada nas áreas abertas é livre, sem qualquer bilheteria.)

O castelo original data de 1240, mas muito foi feito aqui no período renascentista. No século XVI, a família Rosenberg decidiu reformá-lo nos moldes dessa época.

É dessa reforma a torre cor-de-rosa enfeitada que você avista quase de qualquer lugar da cidade.

Cesky Krumlov 2 38
Note os enfeites do Castelo de Český Krumlov, tanto a torre quanto as figuras nas paredes externas. Os medievais não tinham isso, são adornos típicos do Renascimento.
Cesky Krumlov 2 30
Aspecto outonal cá embaixo e a torre do castelo lá em cima neste dia de dezembro.
Cesky Krumlov 2 31
O fosso sob o acesso ao castelo, chamado de Fosso dos Ursos. Literalmente.
Cesky Krumlov 2 32
Antigamente, os ursos eram para proteção — ou para atirar alguém lá embaixo como punição. Já hoje, eles são xodós dos turistas. (Eu não sou o maior fã de ver animais selvagens em cativeiro, mas aqui é menos pior que em alguns zoológicos.)
Cesky Krumlov 2 33
Sigamos.

O castelo é extenso, e uma visita aos interiores toma umas boas 2h ou mais. Para que você fique sabendo, quando ele está aberto há dois tours: um pelos aposentos mais antigos, dos tempos renascentista e barroco, e outro pelas áreas mais recentes, já que este castelo foi habitado por nobres até 1947.

Diz-se que esta é uma das possíveis origens da lenda da Mulher de Branco, a assombração que aparece até no Brasil.

Quando os Rosenberg desaparecem sem herdeiros no século XVII, o Castelo de Český Krumlov cai nas mãos dos Eggenberg — família austríaca cujo palácio principal eu já mostrei em Graz, na Áustria. Eles dão seguimento à transformação desta fortificação medieval numa residência mais refinada, com os murais que você vê hoje nas paredes dos pátios.

Cesky Krumlov 2 35
Pátio renascentista no Castelo de Český Krumlov.
Cesky Krumlov 2 40
O castelo à noite.

Uma curiosidade é que os tchecos adoram histórias trágicas. Eles têm uma certa inclinação pelos contos medievais sombrios, e curtem demais as versões “raiz” das histórias medievais que os Irmãos Grimm depois adaptaram ao público infantil moderno. (Por exemplo, no original, não é a madrasta da Cinderela quem a explora, mas a própria mãe.)

Assim sendo, é claro que há lendas e rumores sobre este castelo ser mal-assombrado. Inclusive, diz-se que esta é uma das possíveis origens da lenda da Mulher de Branco, a assombração que aparece até no Brasil. Dizem ser o fantasma de Perchta von Rosenberg, mulher que era atormentada pelo marido. (Vale a pena vir aqui à noite para procurá-la.)

Até que os Eggenberg também desapareceram sem deixar herdeiros, em 1717, e a região toda — com castelo e tudo — passou à posse dos Schwarzenberg. Estes, ao contrário dos antecessores, não acabaram. Seguem na política e sendo uma família rica, mas desde 1947 este castelo está sob a posse do Estado tcheco. 

Um dos tours que você pode fazer entre abril e outubro é pelos aposentos do século XVIII até o XX, onde os Schwarzenberg viviam. Por ora, no inverno, há de se deliciar é com o vento frio pelos corredores exteriores e com a paisagem.

Cesky Krumlov 2 34
Não é possível entrar no castelo nesta época do ano, mas as vistas são mágicas.
Cesky Krumlov 2 36
Český Krumlov vista do alto, de uma das pontes elevadas que dão acesso ao castelo, com figuras sacras ali.

Outros pontos de interesse

Dois outros lugares de época que as pessoas regularmente visitam em Český Krumlov — e que estão em pleno funcionamento no inverno — são o mosteiro medieval franciscano e a Catedral de São Vito, esta do século XV.

Esta última é de acesso livre, numa colina na parte sul do centro. Você sobe uns degraus e lá está naquela estrutura gótica, seu interior um abrigo bem-vindo do frio e do vento que faz lá fora.

Cesky Krumlov cathedral
A catedral gótica de Český Krumlov, dedicada a São Vito, às vezes também chamado São Guido, mártir executado na Sicília durante a perseguição do imperador Diocleciano aos cristãos em 303 — a mesma que teria levado São Jorge e Santo Expedito. A Catedral de Praga também lhe é dedicada.
Cesky Krumlov 2 41
O interior gótico desta igreja terminada em 1438.

Já o mosteiro medieval fica bem no miolo do centro. Não funciona mais como mosteiro, mas lá ainda é possível sentir aquela atmosfera dos albores de Český Krumlov. Ele data do século XIV, de logo quando os Rosenberg assumem esta região.

Cesky Krumlov 2 42
Por aqui.
Cesky Krumlov 2 43
Até que você chega nesta área do antigo mosteiro franciscano. Aquela edificação barroca ali de fachada azul acinzentada é a igreja, que você só visita por dentro como parte do acesso ao mosteiro. Há um ingresso módico, já que hoje é como um museu.
Cesky Krumlov 2 44
O lugar do antigo mosteiro medieval franciscano restaurado.

Eles não permitem que se tire fotos do interior, então o que posso lhes dizer é que você dá uma volta pelo claustro e visita também a igreja barroca dos franciscanos. É uma visita simples, de coisa de meia hora, mas que vale a pena a quem gosta desses ambientes da Igreja medieval.

Cesky krumlov mosteiro
Esta é uma foto de divulgação deles, que dá uma palhinha do interior do mosteiro.

E assim eu via Český Krumlov nesta época outra, invernal. Ela é sem dúvida um lugar mais quieto que no verão (embora haja todos os turistas), e talvez também uma visita mais rápida, que você satisfaz com coisa de duas noites (uma se você estiver com pressa e chegar cedo).

Era hora de eu me despedir do ano e rumar a novos destinos. À República Tcheca sempre vale a pena retornar; a gente sempre descobre algo novo. Tenho certeza de que voltarei.

Cesky Krumlov 2 45
A vista do alto para Český Krumlov durante o dia…
Cesky Krumlov 2 46
… e iluminada à noite.
Mairon Giovani
Cidadão do mundo e viajante independente. Gosta de cultura, risadas, e comida bem feita. Não acha que viajar sozinho seja tão assustador quanto costumam imaginar, e se joga com frequência em novos ambientes. Crê que um país deixa de ser um mero lugar no mapa a partir do momento em que você o conhece e vive experiências com as pessoas de lá.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *